Escolha as suas informações

Mediador escolar recebeu 130 processos no primeiro ano em funções
Luxemburgo 19.09.2019

Mediador escolar recebeu 130 processos no primeiro ano em funções

Mediador escolar recebeu 130 processos no primeiro ano em funções

Foto: Guy Wolff
Luxemburgo 19.09.2019

Mediador escolar recebeu 130 processos no primeiro ano em funções

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Problemas disciplinares, má inclusão de alunos e falta de comunicação entre pais imigrantes e escolas estão entre os casos mais frequentes.

No balanço do primeiro ano do novo cargo, deram entrada no gabinete do mediador escolar 130 processos, que envolvem alunos, pais e agentes educativos.

Em entrevista à Rádio Latina, Lis de Pina, a primeira responsável deste cargo criado no ano passado pelo Ministério da Educação, refere que a maioria dos casos prende-se com problemas nas escolas primárias.

Filha de pais portugueses, Lis de Pina tem como função combater o abandono escolar e intervir nas áreas de inclusão de alunos com necessidades específicas e de integração escolar dos filhos de imigrantes.

Entre os 130 processos, há também problemas de falta de comunicação entre as escolas e pais, sobretudo imigrantes.

Confrontada com a taxa de abandono escolar no ensino secundário luxemburguês, uma das mais altas da União Europeia, e que afeta sobretudo alunos estrangeiros, Lis de Pina, defende uma maior intervenção dos pais.

Outro dos poderes do mediador escolar é a fiscalização de escolas, para garantir a aplicação das leis e a formação adequada aos alunos.

Lis de Pina foi obrigada a intervir junto de algumas escolas no ano passado e, sem identificar os intervenientes, dá um exemplo concreto da sua atuação.

A mediadora apresentou ainda oito recomendações ao Ministro da Educação, Claude Meisch, para melhorar a lei escolar. O relatório final vai ser divulgado em novembro.

A mediadora escolar, Lis de Pina, e o ministro da Educação, Claude Meisch.
A mediadora escolar, Lis de Pina, e o ministro da Educação, Claude Meisch.
Foto: MENEJ

O recurso ao mediador escolar pode ser feito por pais de alunos menores de idade, alunos com mais de 18 anos e agentes educativos, sempre de forma confidencial. Mas este recurso só é possível se o problema não for previamente resolvido através da intervenção do diretor de turma ou do diretor da escola.

O serviço de mediação escolar fica situado no edifício do Ministério da Educação (rue Aldringen, n° 29), na capital. A entrada fica na lateral do edifício. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 14h às 17h.

Mais informações pelo tel. 247-65280 e na página de internet www.mediationscolaire.lu.


Notícias relacionadas

Lis de Pina é a provedora que vai prevenir o abandono escolar
Lis de Pina é o nome escolhido para ocupar o novo cargo de provedor escolar. Filha de pais portugueses (de Torres Vedras e Cascais), que chegaram ao Luxemburgo em 1964, Lis de Pina fez parte de uma lista de cinco candidatos ao cargo de “médiateur scolaire”, que vai combater o abandono escolar e intervir nas áreas de inclusão de alunos com dificuldades e integração escolar dos filhos de imigrantes.
A nova provedora Lis de Pina foi apresentada pelo ministro da Educação, Claude Meisch.
“Se não fores para a escola vais lavar casas de banho como eu”
O ambiente socioeconómico das famílias continua a ter influência sobre o (in)sucesso escolar dos filhos de imigrantes no Luxemburgo. Mas a atitude mobilizadora dos pais também tem peso na balança, defende a autora de uma tese de mestrado que tem como público-alvo os alunos de origem cabo-verdiana no Grão-Ducado.