Escolha as suas informações

Marcha branca contra limitações dos não vacinados
Luxemburgo 2 min. 11.10.2021
Vacinação

Marcha branca contra limitações dos não vacinados

Vacinação

Marcha branca contra limitações dos não vacinados

AFP
Luxemburgo 2 min. 11.10.2021
Vacinação

Marcha branca contra limitações dos não vacinados

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O encontro está marcado para esta sexta-feira, às 19:00, atrás da Philharmonie, em Kirchberg. As pessoas devem vestir de branco. Não haverá discursos e a marcha faz-se de forma silenciosa.

“A liberdade de escolha individual relativamente à vacinação contra a covid-19 deve permanecer um valor fundamental intocável”. É sob este mote que está a ser promovida uma marcha branca no Luxemburgo que se realiza esta sexta-feira. 

O apelo à participação está a ser feito nas redes sociais.Para os organizadores que se autodenominam “movimento social”, as restrições em torno das pessoas não vacinadas estão a ficar cada vez mais apertadas, estando-se a criar uma divisão na sociedade. A manifestação surge depois de o primeiro-ministro, Xavier Bettel, ter anunciado mais restrições para as pessoas não vacinadas com a futura ‘lei covid’. 

Concretamente, o Governo vai acabar com os autotestes de diagnóstico à covid-19 para aceder ao interior de restaurantes, cafés e discotecas.Só entra nesses estabelecimentos quem tiver um dos certificados CovidCheck. Isto é quem tiver vacinação completa ou está a recuperar da doença ou quem tenha resultado negativo de um teste PCR ou de um teste rápido de antigénio feito por um profissional da saúde.


Petição contra vacinação obrigatória atingiu 5.000 assinaturas em apenas dois dias
Texto precisava de 4.500 assinaturas para ser discutido no Parlamento.

Com a futura lei, o Governo permite também às empresas instaurar o CovidCheck. A medida é facultativa. Mas se o empregador quiser poderá exigir um dos três certificados do passe sanitário aos trabalhadores. Para o não vacinado isto significa ‘pagar’ para ir trabalhar. 

Um teste PCR custa cerca de 60 euros nos laboratórios e é válido por 72 horas. Já um teste rápido de antigénio, feito por um profissional de saúde, custa menos de 30 euros nas farmácias. O teste rápido é válido por 48 horas.

A futura ‘lei covid’ entra em vigor a 19 de outubro, mas os autotestes só deixam de ser aceites a partir do dia 1 de novembro, com o Governo a ‘dar tempo’ aos 23% de não vacinados para se inocularem até lá. Tempo e mais espaços, já que reabrem a 16 de outubro, os centros de vacinação de Belval e de Ettelbruk. E tal como o único centro de vacinação atualmente aberto em Limpertsberg não será necessário agendamento.

Mas a pressão exercida pelo Governo sobre os não vacinados é inaceitável para os promotores da marcha branca. Mantendo o anonimato, os organizadores da manifestação da próxima sexta-feira dizem que é necessário “mobilizar-se pela defesa dos direitos e das liberdades fundamentais”, até porque, no seu entender, “as crianças com menos de 12 anos serão os próximos alvos [do Governo] a terem de tomar a vacina para o regresso a uma vida social normal”.

Esta já é a terceira marcha branca organizada pelo movimento, mas desta vez os promotores esperam uma maior adesão, quer de pessoas vacinadas ou não vacinadas, já que a ação se realiza poucos dias antes da entrada em vigor da nova ‘lei covid’. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

No Luxemburgo, as empresas do setor público e privado podem adotar o regime CovidCheck que entra em vigor a 1 de novembro, tornando obrigatório para os funcionários a apresentação do certificado, anunciou esta tarde Xavier Bettel.