Escolha as suas informações

Mais de mil pedidos de asilo no primeiro semestre de 2019
Luxemburgo 19.07.2019

Mais de mil pedidos de asilo no primeiro semestre de 2019

Mais de mil pedidos de asilo no primeiro semestre de 2019

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 19.07.2019

Mais de mil pedidos de asilo no primeiro semestre de 2019

Manuela PEREIRA
Manuela PEREIRA
O Luxemburgo registou 1.062 pedidos de asilo, nos primeiros seis meses deste ano. São mais 212 face ao mesmo período de 2018, que fechou com 2.205 solicitações.

A Eritreia, com 328 pedidos (30,9%), é o país de origem de grande parte dos requerentes de asilo que chegaram, este ano, ao Grão-Ducado. Há também registo de 100 sírios, representando 9,4% do total de requerimentos. Além disso, 77 afegãos (7,3%) também pediram proteção internacional, desde janeiro.


Luxemburgo vai receber migrantes do Sea Watch 3
O Luxemburgo é um dos países da União Europeia (UE) que aceitou acolher migrantes que desembarcaram do Sea Watch 3.

Quanto às decisões tomadas pela Direção da Imigração, foram atribuídos 351 estatutos de refugiado a cidadãos que receberam luz verde do Governo para residir no país, sendo consideradas imigrantes como qualquer outro estrangeiro radicado no país. Para a maior parte dessas pessoas, o pedido tinha sido introduzido em 2018. Foi o caso de 254 requerentes, face aos 74 apresentados este ano. Menos sorte tiveram 188 requerentes que viram o seu pedido de asilo chumbado.

Desde do início do ano, 92 pessoas – que viram justamente o seu pedido rejeitado – tiveram de regressar aos seus países de origem. Grande parte para a Geórgia (30), seguido do Kosovo (10), do Afeganistão (6) e da Albânia (6). Em 24 casos tratou-se de expulsões e não repatriamentos, ou seja pessoas que não aceitaram a decisão do Luxemburgo e que foram ‘forçadas’ a abandonar o país.


Crise Irão-EUA. Asselborn antecipa agravamento de fluxo migratório para a Europa
Jean Asselborn defende que Teerão deve cumprir as suas obrigações, caso contrário as relações com a UE vão piorar.

Note-se que o número de pedidos de asilo não corresponde ao número total de migrantes que chegam ao Luxemburgo e que foram acolhidos nos diferentes centros do Gabinete Nacional de Acolhimento e Integração (OLAI), ou seja, há uma discrepância temporária entre o número real de chegadas e de abertura de dossiês na Direção da Imigração.


Notícias relacionadas