Escolha as suas informações

Mais de 44 mil portugueses podem ir às urnas nas próximas legislativas

Mais de 44 mil portugueses podem ir às urnas nas próximas legislativas

Pierre Matge
Luxemburgo 2 min. 19.05.2015

Mais de 44 mil portugueses podem ir às urnas nas próximas legislativas

Se a questão sobre o voto dos estrangeiros nas eleições legislativas passar no referendo de 7 de Junho, nas próximas eleições de 2018, para a escolha de um novo Governo, há mais 105 mil potenciais eleitores estrangeiros que poderão votar. Deste total, mais de 44 mil são portugueses, qualquer coisa como 42% dos potenciais eleitores.

Se a questão sobre o voto dos estrangeiros nas eleições legislativas passar no referendo de 7 de Junho, nas próximas eleições de 2018, para a escolha de um novo Governo, há mais 105 mil potenciais eleitores estrangeiros que poderão votar. Deste total, mais de 44 mil são portugueses, qualquer coisa como 42% dos potenciais eleitores.

Os números são do Statec, o instituto de estatísticas do Luxemburgo, e foram revelados esta semana. Segundo o Statec, os portugueses são a maior fatia dos potenciais eleitores estrangeiros no Luxemburgo, logo seguidos dos italianos.

Os números do Statec mostram ainda que do total de potenciais eleitores, 15,2% nasceram no Luxemburgo, e destes um quarto fala regularmente luxemburguês e diz até que é a língua que melhor sabe falar.

Mas as curiosidades reveladas neste estudo não se ficam por aqui. Sessenta por cento dos potenciais eleitores estrangeiros têm emprego, contra 52,4% dos eleitores luxemburgueses. A esmagadora maioria dos potenciais eleitores estrangeiros trabalha no sector privado (77%). Entre os eleitores luxemburgueses apenas 51% trabalham no privado. Ao nível dos reformados, 21,1% dos eleitores luxemburgueses já estão a gozar de uma pensão de velhice, enquanto no seio dos potenciais eleitores estrangeiros apenas 15,9% está na reforma.

Diz o estudo do Statec que os potenciais eleitores estrangeiros têm menos habilitações literárias do que os eleitores luxemburgueses, e neste caso são os portugueses que 
desequilibram a balança. Os portugueses residentes no Luxemburgo, e que foram considerados potenciais eleitores neste estudo, terminaram apenas a escola primária ou frequentaram apenas os primeiros três anos do ensino secundário.

O estudo do Statec revela ainda que os potenciais eleitores estrangeiros são mais novos: têm em média 46 anos de idade, contra 49 dos eleitores luxemburgueses. A esmagadora maioria dos estrangeiros no Luxemburgo, incluindo os portugueses, não preenchem uma das condições previstas no referendo para participar nas legislativas, ou seja, ter votado previamente em eleições comunais ou europeias no país. Contas feitas, apenas 35 mil pessoas poderiam actualmente votar. O número pode no entanto aumentar, uma vez que antes das eleições legislativas de 2018 há ainda as eleições comunais.

Se o direito de voto for outorgado aos estrangeiros, o Statec diz que nas próximas eleições legislativas 78% da população do Grão-Ducado, com 18 anos de idade, poderia ir às urnas para escolher o novo governo.

Domingos Martins


Notícias relacionadas

Porta-voz da CCPL: Vitória esmagadora do “Não” revela “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros
O “Não” ao direito de voto dos imigrantes nas eleições legislativas venceu de forma esmagadora o referendo no Luxemburgo, com 78% dos votos, frustrando as aspirações de muitos portugueses no país, que representam 16% da população. Para representantes da comunidade portuguesa no Luxemburgo, os resultados confirmam que há “tensões latentes” entre luxemburgueses e estrangeiros.
O lema do Luxemburgo é “Queremos continuar a ser aquilo que somos”. No 
domingo, a esmagadora maioria dos luxemburgueses votaram contra a mudança
Referendo: Se o "sim" ganhar, menos de 20% dos portugueses vão poder votar
Se o "sim" vencer no referendo sobre o voto dos estrangeiros, a maioria não vai poder votar nas próximas eleições legislativas. A esmagadora maioria dos estrangeiros, incluindo os portugueses, não preenchem uma das condições previstas no referendo, ter votado previamente em eleições comunais ou europeias no Luxemburgo.