Escolha as suas informações

Mais de 37% dos residentes vivem em apartamentos
Luxemburgo 13.05.2020 Do nosso arquivo online

Mais de 37% dos residentes vivem em apartamentos

Mais de 37% dos residentes vivem em apartamentos

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 13.05.2020 Do nosso arquivo online

Mais de 37% dos residentes vivem em apartamentos

Diana ALVES
Diana ALVES
A percentagem de pessoas a morar em apartamentos no Grão-Ducado é bastante inferior à média europeia de 46%.

Mais de 37% dos residentes do Luxemburgo vivem em apartamentos, segundo dados do Eurostat, divulgados hoje.

A percentagem de pessoas a morar em apartamentos no Grão-Ducado é bastante inferior à média europeia de 46%, de acordo com as estatísticas do instituto europeu, referentes a 2018.

Por outro lado, a percentagem de pessoas que vivem em moradias independentes no Luxemburgo é igual à média europeia. Isto é, em 2018 34,7% da população, tanto no Grão-Ducado como no conjunto dos países do bloco, morava naquele tipo de casas. Já as casas geminadas eram o local de residência de 26,9% dos habitantes do Luxemburgo, enquanto os restantes 1,3% viviam noutro tipo de habitação.


Luxemburgo. Metade da população está confinada em casas "demasiado grandes"
Luxemburgo é o sétimo da lista do Eurostat.

Recentemente foram divulgados indicadores que revelavam que mais de metade da população do Luxemburgo vive em casas "demasiado grandes", isto é, com um número excessivo de quartos face às necessidades dos moradores.

Os dados do Eurostat permitem concluir que a proporção de pessoas a morar em apartamentos aumentou 3% face a 2015. Já a percentagem daquelas que vivem em casas independentes caiu 2%.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.