Escolha as suas informações

Mais de 300 queixas contra taxistas do Luxemburgo em 2018
Luxemburgo 2 min. 27.03.2019 Do nosso arquivo online

Mais de 300 queixas contra taxistas do Luxemburgo em 2018

Mais de 300 queixas contra taxistas do Luxemburgo em 2018

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 2 min. 27.03.2019 Do nosso arquivo online

Mais de 300 queixas contra taxistas do Luxemburgo em 2018

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Clientes insatisfeitos não hesitam a apresentar queixa contra taxistas no Ministério da Mobilidade. Resultado: quatro empresas perderam a licença e dois taxistas ficaram impedidos de exercer a profissão.

O departamento dos táxis do Ministério da Mobilidade não teve mãos a medir em 2018. Só nesse ano recebeu 315 reclamações. A maioria das denúncias está relacionada com o comportamento dos taxistas. Comportamentos abusivos, na perspetiva dos clientes. As queixas incidem concretamente em bandeiradas mais caras alegadamente devido a percursos propositadamente mais longos escolhidos pelos taxistas.

O Ministério da Mobilidade não ficou de mãos atadas e decidiu aplicar sanções a 11 taxistas e 17 empresas do ramo. As decisões mais pesadas recaíram sobre quatro empregadores a quem foram retiradas as licenças e dois dos 11 taxistas também ficaram impedidos de exercer a profissão.

A lei que rege o setor dos táxis vigora desde setembro de 2016. Desde então a legislação já foi infringida pelo menos 450 vezes. Quatro centos e cinquenta é o número de multas que a polícia registou contra taxistas desde essa data, por um montante total a ronda os 87.000 euros. Houve, por exemplo, 59 multas por “serviço ilegal de táxi”, ou seja, o taxista não tinha licença. Uma infração sancionada com 500 euros.

Estes dados foram divulgados pelos ministros da Mobilidade, François Bausch, e das Finanças, Pierre Gramegna, numa resposta a uma pergunta parlamentar da deputada do CSV, Diane Adehm.


Clientes pagam entre 22 e 45 euros pelo mesmo trajeto. Taxistas não se entendem sobre a lei atual
Depois de o ministro da Mobilidade e Transportes Públicos, François Bausch, ter revelado na semana passada as discrepâncias das bandeiradas, o Contacto foi para a rua falar com os trabalhadores do setor. Preços, fila única, zonas fixas e horários são alguns dos problemas apontados.

Grão-Ducado: Preços dos táxis dos mais elevados da Europa

Em janeiro deste ano a União Luxemburguesa dos Consumidores (ULC) dava conta de que os preços praticados no Luxemburgo são dos mais altos da Europa. Na altura, pediu ao ministro da Mobilidade, François Bausch, um novo estudo sobre o setor, bem como uma legislação em prol dos consumidores. 

Apesar da liberalização do mercado, em 2016, o preço da bandeirada aumentou em média 6% entre março de 2017 e dezembro de 2018.  A discrepância de bandeiradas foi mesmo revelada pelo ministro da Mobilidade, François Bausch, em resposta a uma questão parlamentar do deputado do ADR, Fernand Kartheiser no início do ano. Bausch dava conta de que a mesma viagem de táxi tem 20 preços diferentes no Luxemburgo

Na altura, os taxistas ouvidos pelo Contacto mostravam-se divididos quanto aos benefícios da liberalização do setor.


Notícias relacionadas

A Federação do setor teme que a liberalização total do setor contribua para o aumento dos preços dos trajetos em vez de os baixar. Opinião partilhada pela União Luxemburguesa dos Consumidores.
O mesmo percurso, à mesma hora, mas com preços diferentes. No Luxemburgo, uma viagem de táxi de dez quilómetros tem 20 tarifas diurnas diferentes, variando entre os 22,50 euros e os 45 euros. Uma situação que se deve à liberalização do mercado dos táxis.
Desde que a nova lei dos táxis entrou em vigor, há nove meses, que foram registadas 222 queixas de clientes contra taxistas. Dessas, 42 estão relacionadas com os preços praticados - considerados demasiado elevados - e 24 devido ao comportamento dos taxistas.
Com a nova lei passou a ser obrigatório fixar as bandeiras no interior e no exterior dos táxis
O ministro luxemburguês do Desenvolvimento Sustentável e das Infraestruturas, François Bausch, entregou hoje simbolicamente as primeiras 18 licenças de exploração de táxis com zero emissões, no Luxemburgo.
(de g. à dr.) Charles Geniets ; Émile Weber ; Vasco David ; Joao Fernandes ; Babtunde Otukoya ; Michel Pereira ; François Bausch, ministre du Développement durable et des Infrastructures ; Jean-Paul Maas ; Olivier Gallé ; Jean-Paul Gallé
A nova lei que rege o sector dos táxis no Luxemburgo entrou em vigor no dia 1 de Setembro. A mudança que mais polémica tem gerado entre os taxistas é a que determina que o cliente deixa de ser obrigado a apanhar o primeiro táxi da fila. Os profissionais do sector pedem ainda mais fiscalização no combate aos taxistas ilegais.
 “Os ´pescadores´ (taxistas ilegais) continuam aí e são cada vez mais. São concorrência desleal a quem paga impostos e acabam por roubar o Estado”, denuncia Aires Santos, da Taxis Morgado, em Esch-sur-Alzette