Escolha as suas informações

Maioria dos luxemburgueses quer ficar na UE
Luxemburgo 4 min. 31.10.2018

Maioria dos luxemburgueses quer ficar na UE

Maioria dos luxemburgueses quer ficar na UE

Foto: Daniel Leal-Olivas/AFP
Luxemburgo 4 min. 31.10.2018

Maioria dos luxemburgueses quer ficar na UE

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
De acordo com o mais recente Eurobarómetro divulgado pela Comissão Europeia, o Luxemburgo é o país que mais apoia o atual projeto europeu.

Com o 'brexit' a dominar a atualidade europeia, o Luxemburgo continua a ser um dos países que mais apoiam o atual projeto europeu. A maioria dos luxemburgueses votaria pela permanência do Grão-Ducado na União Europeia (UE) se fosse feito agora um referendo semelhante ao do 'brexit'. De acordo com o mais recente Eurobarómetro, divulgado pelo Parlamento Europeu, 85% dos inquiridos no Luxemburgo querem continuar na UE. Crescimento económico, novas oportunidades de trabalho e melhoria da cooperação entre os Estados membros são as três principais razões evocadas para justificar a permanência como membro do bloco europeu.

Os números do Luxemburgo no Eurobarómetro: 

  • 87% é a percentagem de luxemburgueses que consideram "positivo" que o país seja membro da UE. A mesma percentagem aprova a continuidade da moeda única europeia.
  • 85% é a taxa de pessoas que responderiam "sim" à permanência na UE, em caso de referendo semelhante ao Brexit no Grão-Ducado. 
  • 68% é a percentagem de pessoas que estão "satisfeitas" com o atual funcionamento da democracia na UE. 
  • 52% dos inquiridos sabe quando vão ser as próximas eleições europeias (entre 23 e 26 de maio de 2019). 
  • 46% é a percentagem dos residentes que têm uma imagem positiva do Parlamento Europeu.
  • 21% é a taxa dos que acham que a UE consegue proteger o Luxemburgo contra o crime organizado. 
  • 73% dos luxemburgueses acreditam que, daqui a cinco anos, a desigualdade entre classes sociais vai ser mais acentuada do que atualmente.

"Acredito que os cidadãos luxemburgueses estão a testemunhar o facto de eles e o seu país beneficiarem da UE a nível económico, político e social. Estão a par desses benefícios, que são mais-valia desta permanência do Luxemburgo na UE. Mas estes resultados surgem também no contexto do processo das negociações da saída do Reino Unido na União Europeia. Deixar a UE não traz muitas vantagens, como os ingleses, infelizmente, acabaram por constatar. Pelo contrário, juntos somos mais fortes para enfrentar os desafios num mundo globalizado", disse ao Contacto a chefe da representação da Comissão Europeia (CE) no Luxemburgo, Yuriko Backes.

Numa altura em que as negociações sobre as futuras relações entre o Reino Unido e a UE conhecem crispações, os indicadores do estudo mostram que o apoio geral dos Estados-membros é ainda assim "forte". Entre os cidadãos dos 28 Estados-membros inquiridos durante o mês de setembro, o Luxemburgo e a Irlanda são os países onde há proporcionalmente mais pessoas a votar pela permanência na UE (ver gráfico abaixo). O resultado é bastante superior à média da UE (66%) e de Portugal, por exemplo, que tem uma taxa de 74%.

No sentido contrário, a maior taxa de respostas que aprovam a saída da UE regista-se no Reino Unido (35%), como seria de esperar, mas com um valor bem abaixo dos 51,9% dos votos que ditaram o Brexit no referendo de 2016. No Luxemburgo, só 7% dos inquiridos defendem a saída do bloco europeu, enquanto 8% não sabem a resposta.

 A cerca de sete meses das eleições europeias (entre 23 e 26 de maio de 2019), o apoio à UE atingiu o seu nível mais elevado desde 1983: o Luxemburgo ocupa o primeiro lugar com 87% de apoio. A percentagem é a mesma sobre o apoio que os cidadãos dão à atual moeda única, criada há 20 anos. 

Embora os resultados sejam globalmente positivos, os dados do Eurobarómetro revelam também algumas preocupações. "Não devemos ignorar o facto de muitos cidadãos sentirem que a situação na UE não segue a direção certa. Esses medos são legítimos, mas as soluções não podem ser encontradas no nacionalismo ou no populismo, que não resolvem problemas, mas os criam. A UE deve continuar a demonstrar que, quando agimos em conjunto, podemos alcançar resultados e que, através de exemplos concretos, a UE representa mais-valia na vida quotidiana dos cidadãos", defende a chefe da representação da CE no Luxemburgo.

Questionados sobre as próximas eleições europeias, cerca de metade dos luxemburgueses (52%) souberam responder de forma correta. "Os residentes no Luxemburgo são pessoas bem informadas sobre as questões europeias, em comparação com a média europeia", salienta Yuriko Backes. Do total, 37% dos luxemburgueses não sabem quando vão ser as eleições, 5% responderam que vão ser este ano, 3% acham que vai ser daqui a dois anos e os restantes 3% responderam outra data.

Ainda de acordo com os números do Eurobarómetro, "combate às mudanças climáticas e proteção do ambiente, luta contra o desemprego entre os jovens e imigração" são os temas prioritários que os luxemburgueses querem ver debatidos na próxima campanha eleitoral com vista às eleições para o Parlamento Europeu. As questões de segurança, política de defesa e proteção de dados são os temas com menos interesse para os inquiridos. 

Ficha técnica: Foram entrevistadas presencialmente 27.474 pessoas com mais de 15 anos, entre 8 e 26 de setembro. O estudo foi levado a cabo pelo instituto Kantar Public. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Europeias. Partido Brexit claro vencedor no Reino Unido
"Nunca na política britânica um partido com apenas seis semanas ganhou uma eleição nacional. Se o Reino Unido não sair a 31 de outubro, estes resultados vão repetir-se numas eleições legislativas", avisou Nigel Farage, o eurodeputado e líder do Partido Brexit.