Escolha as suas informações

Mãe de Bianka, a bebé desaparecida em 2015 que nunca foi encontrada, vai a julgamento
Luxemburgo 4 min. 06.12.2022
Justiça

Mãe de Bianka, a bebé desaparecida em 2015 que nunca foi encontrada, vai a julgamento

Justiça

Mãe de Bianka, a bebé desaparecida em 2015 que nunca foi encontrada, vai a julgamento

Foto: Steve Remesch
Luxemburgo 4 min. 06.12.2022
Justiça

Mãe de Bianka, a bebé desaparecida em 2015 que nunca foi encontrada, vai a julgamento

Maximilian RICHARD
Maximilian RICHARD
Sarah B. é acusada de ter violentado a filha, um bebé prematuro. A acusação assume que a menina foi espancada e a mãe, Sarah B., é suspeita de homicídio.

No verão de 2015, a polícia drenou inúmeros litros de água da lagoa de Linger na esperança de encontrar Bianka, uma bebé de um mês que desapareceu sem deixar rasto no início de julho nos arredores de Pétange. O corpo da menina nunca foi encontrado. A investigação foi encerrada em 2019, mas várias questões ficaram por responder.


Bebé luxemburguesa desaparecida há cinco anos. Justiça acusa a mãe
Cinco anos após o seu desaparecimento, não há rasto de Bianka Bisdorff. O Ministério Público quer agora levar a mãe da bebé a julgamento, no tribunal criminal. É o que revela esta quinta-feira um comunicado da daquela instituição judicial, que indica ter concluído o inquérito no final de 2019.

A mãe de Bianka deverá comparecer perante a 13ª câmara penal do tribunal distrital do Luxemburgo esta terça-feira. O Ministério Público acusa a mulher de 39 anos de ser responsável pela morte da sua filha.

Sarah B., que terá agido com premeditação, é acusada principalmente de homicídio. Outras acusações incluem homicídio involuntário, abandono de uma pessoa indefesa e agressão que resultou em morte da criança.

A mãe é acusada de ter violentado a filha, um bebé prematuro. A acusação assume que Bianka foi espancada. Sarah B. também não terá alimentado suficientemente o bebé, negligenciando-a. De acordo com a investigação, a arguida não vestiu a filha de forma adequada e deixou-a no apartamento de um conhecido, no meio de excrementos de gato. A par disso, levou alegadamente a criança de bar em bar e fumou canábis na sua presença.

Na ausência do corpo, é difícil determinar a causa de morte. Mas segundo a acusação, a violência e a falta de cuidados acabaram por levar à morte de Bianka. É possível que tenha sido abandonada pela sua mãe a 15 de junho de 2015, quando tinha apenas nove dias, ao lado de um lago perto de Linger.

Bebé desapareceu pouco depois de nascer

Bianka nasceu num contexto social difícil a 6 de junho de 2015.  No final de Junho, um juiz de família e menores ordenou que Bianka fosse colocada sob proteção social, decisão que as autoridades já tinha tomado para os seus irmãos e irmãs mais velhos. 

A 2 de julho de 2015, quando os agentes do serviço de proteção da juventude da polícia judiciária se apresentaram à porta de Sarah B., não havia sinal da criança. A mãe recusou-se a dar qualquer informação sobre o seu paradeiro.

O Ministério Público abriu então uma investigação por rapto de crianças. Alguns dias mais tarde, a 9 de julho, esta foi alargada para incluir acusações de infanticídio, homicídio, violação dos direitos da criança e negligência da criança.

As declarações de uma testemunha foram decisivas, pois viu a mãe e a bebé a dirigirem-se para o lago "am Wäissebrill", entre Pétange e Linger, a 15 de junho, nove dias após o nascimento. Mais tarde, a mãe voltou sem a filha.


Lagoa de Linger drenada para procurar bebé desaparecida
As buscas para encontrar Bianka, a bebé desaparecida no início do mês nos arredores de Pétange, continuam. Esta quarta-feira, a Polícia continua a drenar a lagoa de Linger para procurar o cadáver da criança, já que foi naquele local que a mãe foi vista pela última vez com Bianka.

Foi imediatamente realizada uma busca em grande escala dentro e em redor do lago para procurar a menina. Durante cinco semanas, a polícia virou cada pedra do local e o lago chegou mesmo a ser drenado, após o insucesso das buscas dos mergulhadores. 

Contudo, foram apreendidos objetos com vestígios de ADN de Bianka nas ruínas de uma antiga estação de bombeamento Arbed. Uma pista importante para perceber que Bianka, de facto, esteve lá. 

Ausência de corpo pode levar a absolvição

Sarah B. passou 14 meses em prisão preventiva e permaneceu sempre em silêncio. O seu advogado solicitou a sua libertação, mas o pedido foi recusado, porque havia a possibilidade de eventuais provas serem destruída ou de serem apagados vestígios do crime.

Só em setembro de 2016 que uma câmara do conselho competente aceitou um novo pedido de libertação. A mãe de Bianka saiu em liberdade condicional. Seis anos mais tarde, volta à barra do tribunal. Resta saber se Sarah B. quebrará o  silêncio sobre o destino da filha.

Uma vez que o corpo da criança nunca foi encontrado, é provável que a acusação tenha dificuldade em apresentar provas. O depoimento das testemunhas desempenhará certamente um papel importante. Mas, se a acusação não conseguir dissipar todas as dúvidas sobre a culpa do acusado, o julgamento resultará numa absolvição, pelo menos para o alegado homicídio.


Luxemburgo adere à plataforma de alerta de crianças desaparecidas
O Luxemburgo juntou-se à plataforma europeia de alertas de desaparecimento de crianças, AMBER Alert Europe. O acordo entre o Estado luxemburguês e a plataforma foi assinado na terça-feira pelo ministro da Justiça, Felix Braz.

Sarah B. é também acusada de rapto de crianças, uma vez que resistiu à ordem de um juiz de menores no final de junho de 2015. No entanto, a pena por esta infração é apenas uma fração da pena por homicídio. O artigo 371-1 do Código Penal prevê entre oito dias e dois anos de prisão.

(Este artigo foi originalmente publicado no Luxemburger Wort e adaptado para o Contacto por Maria Monteiro.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Cinco anos após o seu desaparecimento, não há rasto de Bianka Bisdorff. O Ministério Público quer agora levar a mãe da bebé a julgamento, no tribunal criminal. É o que revela esta quinta-feira um comunicado da daquela instituição judicial, que indica ter concluído o inquérito no final de 2019.