Escolha as suas informações

Luxemburgo vai construir barreira para se proteger da peste suína africana
Luxemburgo 2 min. 29.03.2019

Luxemburgo vai construir barreira para se proteger da peste suína africana

Luxemburgo vai construir barreira para se proteger da peste suína africana

Foto de arquivo: AFP
Luxemburgo 2 min. 29.03.2019

Luxemburgo vai construir barreira para se proteger da peste suína africana

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Até à data, todas as análises realizadas a javalis mortos ou abatidos no Luxemburgo foram negativas para a presença da doença.

O Governo vai construir uma barreira de oito quilómetros em Steinfort, junto à fronteira com a Bélgica, para tentar manter o vírus da febre suína fora do seu território.

A febre suína africana já causou a morte a mais de 550 animais na Bélgica, um dos países europeus que optou pela construção de barreiras para impedir a passagem de javalis possivelmente infetados. França e Dinamarca tomaram recentemente a mesma medida de prevenção, a que o Luxemburgo deverá juntar-se, "nos próximos dias", refere o Governo em comunicado.

De acordo com Governo, além da criação da barreira a sul de Steinfort, as medidas preventivas incluem ainda a criação de uma zona de caça seletiva de javalis, permitida durante todo o ano junto às fronteiras com Bélgica e França.

Segundo os ministros da Agricultura, Romain Schneider, e do Ambiente, Carole Dieschbourg, até à data, foram retiradas 131 amostras de javalis mortos ou abatidos no Luxemburgo, todas com resultados negativos quanto à presença da doença.

A febre suína africana foi detetada na Bélgica no início do ano passado, quando foram encontrados 14 javalis mortos na zona de Étalle, na província belga do Luxemburgo. Na altura, o governo belga isolou uma área de 63 mil hectares e abateu quatro mil porcos como medida de de prevenção.

Em fevereiro de 2018, o executivo luxemburguês constituiu um grupo de trabalho para acompanhar de perto a situação. Em setembro passado, as autoridades do Grão-Ducado criaram um perímetro de vigilância no sudoeste do país, perto das fronteiras com a Bélgica e a França, incluído num pacote de medidas de prevenção.

Segundo as autoridades, o vírus não é perigoso para os humanos, quer pelo contacto direto com os animais quer pela ingestão de carne de porco contaminada ou produtos derivados. O contágio acontece, entre os animais e restos de comida que contenham carne de porco contaminada, pelo que é aconselhado manter sacos de lixo com restos de comida, sobretudo carne de porco, longe do alcance de javalis. No entanto, os cidadãos devem ligar para o número de telefone 40 22 01 666 caso encontrem um javali morto sem aparente causa de morte.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas