Escolha as suas informações

Luxemburgo. Vacinação obrigatória a partir dos 50 anos e para quem cuida de doentes?
Luxemburgo 4 min. 14.01.2022
Covid-19

Luxemburgo. Vacinação obrigatória a partir dos 50 anos e para quem cuida de doentes?

Os peritos  Paul Wilmes , Gerard Schockmel , Vic Arendt e Claude Muller na conferência desta sexta-feira.
Covid-19

Luxemburgo. Vacinação obrigatória a partir dos 50 anos e para quem cuida de doentes?

Os peritos Paul Wilmes , Gerard Schockmel , Vic Arendt e Claude Muller na conferência desta sexta-feira.
Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 4 min. 14.01.2022
Covid-19

Luxemburgo. Vacinação obrigatória a partir dos 50 anos e para quem cuida de doentes?

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Esta é a recomendação do grupo de peritos criado para responder às questões fundamentais sobre a obrigação vacinal anticovid no país. Não são por uma vacinação obrigatória para a população em geral, mas apenas setorial. Uma medida para durar até 2024.

Com base nos estudos científicos, os especialistas a quem o Governo pediu para respondem às questões fundamentais em torno da vacinação obrigatória, divulgaram esta sexta-feira as suas recomendações: que a  vacinação obrigatória seja imposta a toda a população residente no país com 50 e mais anos, mas também para os trabalhadores da saúde, e não só, que contactem com pessoas vulneráveis, com maior risco de sofrer de covid-19 grave. Neste universo incluem-se os médicos, profissionais de saúde, cuidadores, trabalhadores de lares de idosos e todos quanto trabalham e contactam com pessoas vulneráveis.

A vacinação obrigatória deve avançar o mais “cedo possível e pelo menos durante dois anos, até junho de 2024”, porque o vírus não vai desaparecer e vai continuar a circular até lá, declarou Gérard Schockmel, infeciologista dos Hospitais Robert Schuman e perito da Agência Europeia de Medicamentos (EMA). 

Além deste médico, outros três especialistas presidiram à conferência de imprensa desta tarde para dar a conhecer as suas recomendações, baseadas em dados científicos. Sentados na mesa estiveram Vic Arendt, também médico infeciologista mas do Centro Hospitalar do Luxemburgo (CHL), Claude Muller, especialista em virologia e imunologia do Luxembourg Institute of Health, e Paul Wilmes, professor do Centro de Sistemas Biomédicos da Universidade do Luxemburgo. Do grupo faz ainda parte Thérèse Staub, chefe do serviço nacional de doenças infeciosas do CHL e presidente do Conselho Superior de Doenças Infeciosas,que não esteve presente na conferência de imprensa.

Guy Jallay

A grande contagiosidade da variante omicron, duas vezes mais transmissível do que a Delta, a onda de infeções que assola o Luxemburgo e o perigo de mais doentes graves, hospitalizações e mortes, justificam a vacinação setorial vincam os peritos.

“Além de que poderão surgir variantes mais graves e virulentas”, declara por seu turno Paul Wilmes.


Luxemburgo regista mais três mortes por covid-19 e 2.103 novos infetados
A taxa de positividade nos testes realizados situou-se nos 33,03%. Internamentos desceram nos cuidados normais e nos cuidados intensivos.

A proteção vacinal é a melhor arma contra a infeção pela covid-19, lembram. Apesar de reconhecerem que a proteção vacinal contra a variante Omicron é menos eficaz, “ela continua a ser eficaz” e impede os vacinados de desenvolverem infeção grave e faleceram.

A partir dos 50 anos

No Luxemburgo, ainda há 40 mil residentes com 50 e mais anos que não estão vacinados e 30 mil nestas idades que ainda não possuem a dose de reforço. Todos eles se forem infetados correm maior risco de desenvolver doença grave. "As duas doses da vacina protegem pouco contra a variante Omicron só com a dose de reforço a proteção aumenta para cerca de 50%, indicam os peritos.

As pessoas mais jovens não correm tantos riscos de hospitalização, estes riscos aumentam para as pessoas a partir dos 50 anos, frisam. Estes médicos lembram que mais de 75% dos doentes hospitalizados com covid têm mais de 50 anos.

Assim em vez de uma vacinação anticovid generalizada à população, estes especialistas recomendam que ela seja imposta apenas à população a partir dos 50 anos e a quem trabalha e contacta com as pessoas vulneráveis.

Residentes e transfronteiriços

Para os maiores de 50 anos, os peritos recomendam a obrigação vacinal apenas para os residentes no Luxemburgo, já a vacinação setorial para quem trabalha no setor da saúde e dos prestadores de cuidados, e contacta com pessoas vulneráveis a obrigação devem ser dirigida aos trabalhadores residentes mas também aos transfronteiriços. 

E por quem trabalha e cuida de pessoas vulneráveis, os especialistas referem-se aos médicos dos hospitais ou centros de saúde, e que visitam doentes, por exemplo, aos prestadores de cuidados como os lares de terceira idade e quem como quem cuida de pessoas ao domicílio, e também, por exemplo, os trabalhadores do setor da limpeza que contactam com as pessoas de risco. Todos estes trabalhadores devem ser obrigados a vacinar-se para proteger os mais vulneráveis. "Queremos proteger os vulneráveis e fazer a vida voltar ao normal", realçou Gérard Schockmel. Já Claude Muller defendeu que quem se vacina mostra solidariedade e empatia com aqueles que o rodeiam”.

A todo o resto da população, a recomendação é para se continue a sensibilizar as pessoas para a vacinação anticovid.

As recomendações e respostas às mais de 30 questões essenciais colocadas pelo executivo a este grupo de cientistas servem de base para a discussão parlamentar. Xavier Bettel pretende que o Parlamento tome já para a semana uma decisão, que a votação aconteça quarta-feira ou quinta-feira que vem.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O grupo de peritos defende a obrigação vacinal anticovid para os trabalhadores do setor da saúde, mesmo os transfronteiriços. O CSV defende esta obrigação para todos que vivem e trabalham no Luxemburgo. Bettel quer seguir as recomendações dos especialistas.
A Câmara dos Deputados debateu esta tarde a obrigação vacinal no Luxemburgo.