Escolha as suas informações

Luxemburgo: um dos países onde se nasce mais do que se morre
Luxemburgo 2 min. 11.07.2019

Luxemburgo: um dos países onde se nasce mais do que se morre

Luxemburgo: um dos países onde se nasce mais do que se morre

Luxemburgo 2 min. 11.07.2019

Luxemburgo: um dos países onde se nasce mais do que se morre

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
"Os portugueses [do Grão-Ducado] contribuem com 12,5% dos nascimentos o que, realmente, é muito para uma só comunidade estrangeira”, indica o Statec.

O elevado número de nascimentos de bebés portugueses contribuiu e muito para que o Grão-Ducado seja o terceiro país da Europa onde se nasce mais do que se morre.

De acordo com os dados do Eurostat divulgados ontem, em 2018, o saldo natural entre o número de nados-vivos e de óbitos era no Luxemburgo de mais 3,2 nascimentos por mil habitantes, seguindo-se apenas à Irlanda (+6,1 ‰), e ao Chipre (+4.1‰).   

Esta evolução positiva de nascimentos deve-se, em grande parte, aos bebés nascidos na comunidade portuguesa. “Os luxemburgueses são responsáveis por pouco mais de 50% dos nascimentos. Os portugueses contribuem com 12,5% dos nascimentos o que, realmente, é muito para uma só comunidade estrangeira”, segundo informações disponibilizados ao Contacto pelo Statec.

Em 2018, houve um total de 6274 nascimentos no Luxemburgo, dos quais 3195 foram de bebés luxemburgueses e 786 de portugueses. De outras nacionalidades nasceram 2286. Entre os luxemburgueses faleceram 3298, e na comunidade lusa 257. O total de mortes no país foi de 4318.

Enquanto o “saldo natural entre nascimentos e mortes português é bem positivo (529) o luxemburguês é negativo (-103)”, segundo dados do Statec.  

Para este organismo, o fraco número de óbitos entre a comunidade portuguesa é de fácil compreensão dado que esta é uma população mais jovem do que a luxemburguesa, nesta ocorreram 76,4% dos óbitos, no ano passado.

Os nascimentos continuam a aumentar no Luxemburgo e esta evolução positiva deve-se exclusivamente aos nascimentos estrangeiros que aumentaram 6,3 por cento em relação a 2017, enquanto o número de bebés luxemburgueses nascidos diminuiu (-2,5%), declarou o Statec em comunicado, aquando da apresentação dos dados demográficos relativos a 2018.

O segundo da Europa com maior crescimento populacional

Nas estatísticas demográficas ontem divulgadas pelo Eurostat, o Grão-Ducado ficou em segundo lugar no ranking europeu do crescimento populacional, em 2018.  No ano passado, o país teve mais 19,6 pessoas por mil habitantes superado apenas por Malta (+36, 8 ‰).

Também aqui, o crescimento da população do Grão-Ducado se deveu a "um saldo migratório muito positivo de 10.659 pessoas, em 2018, de 24,644 chegadas contra apenas 13,985 partidas", já tinha indicado antes o Statec. Embora a comunidade portuguesa continue a ser a mais numerosa, representando 16% da população total, no ano passado, com 96 544 portugueses a residir no país, o maior número de novos residentes tem pertencido aos franceses, desde 2014. Em 2018 tiveram um saldo migratório positivo de 1. 806 pessoas. Em segundo lugar vêm os italianos, com 1.100 chegadas ao país, e em terceiro, os portugueses com 1.009 novos residentes.

 


Notícias relacionadas

Número de portugueses no Luxemburgo depende de quem conta
Os portugueses no Grão-Ducado representam 16,4% da população, segundo os dados do Statec, que contabiliza 96.800 mil imigrantes no país. Mas os registos consulares dão conta de 113 mil, o que corresponde a 19% do total da população do Grão-Ducado, segundo o Relatório da Emigração, divulgado hoje.
Maioria de portugueses no Grão-Ducado nasceram em Portugal
Publicados no âmbito do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, os dados do gabinete luxemburguês de estatísticas (Statec) revelam que sete em cada 10 portugueses residentes no Grão-Ducado nasceram em Portugal (69,4%).
Estrangeiros são agora 46%: Luxemburgo continua a ser terra de imigrantes
A população do Luxemburgo aumentou no ano passado, mais uma vez à custa da imigração. Em 2014 chegaram ao Luxemburgo mais de vinte mil imigrantes. Pela primeira vez, nos últimos anos, chegaram mais franceses do que portugueses. Resultado: aumenta o número de estrangeiros e baixa o número de luxemburgueses a residir no país.
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo