Escolha as suas informações

Luxemburgo: Treze mil portugueses vão votar nas próximas eleições comunais

Luxemburgo: Treze mil portugueses vão votar nas próximas eleições comunais

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 2 min. 27.07.2017

Luxemburgo: Treze mil portugueses vão votar nas próximas eleições comunais

De acordo com dados provisórios divulgados hoje pelo Gabinete Luxemburguês de Acolhimento e Integração (OLAI, na sigla em francês), há 13.093 portugueses inscritos para votar nas próximas eleições municipais, mais 872 que em 2011.

De acordo com dados provisórios divulgados hoje pelo Gabinete Luxemburguês de Acolhimento e Integração (OLAI, na sigla em francês), há 13.093 portugueses inscritos para votar nas próximas eleições municipais, mais 872 que em 2011.

De fora dos cadernos eleitorais ficaram 47 mil portugueses que cumpriam os requisitos para votar nestas eleições, reservadas aos residentes no país há mais de cinco anos.

Nas últimas eleições autárquicas, em outubro de 2011, havia 12.221 portugueses recenseados, que correspondiam a 19 por cento dos eleitores então possíveis, de acordo com um estudo do Centro de Estudos e de Formação Intercultural e Social (CEFIS). Agora, a percentagem de portugueses inscritos é de 21,7%, aponta o OLAI. Aquele organismo frisa no entanto que a forma como a taxa de recenseados é calculada foi alterada, impossibilitando a comparação. Nas últimas eleições, o total de eleitores potenciais incluía todos os residentes com mais de 18 anos, sem ter em conta a condição de residência de cinco anos. Agora, o cálculo passou a ter em conta apenas os que estão no Luxemburgo há mais de cinco anos. Por essa razão, o total de eleitores potenciais é agora menor, aumentando automaticamente a taxa de recenseados.

Globalmente, há agora 34.638 estrangeiros recenseados para as eleições de 8 de outubro, de 134 nacionalidades diferentes. Os portugueses, que representam a maior comunidade de estrangeiros no Luxemburgo, são também a primeira nacionalidade na lista, com 13.093 inscritos (37,7% do total). Seguem-se os franceses, com 5.120 recenseados, os italianos, com 3.378, os belgas, com 3.186 recenseados, e os alemães, com 2.215.

Os cabo-verdianos vêm em 1o°, com 367 pessoas recenseadas, deixando de fora 1.290 eleitores que poderiam votar. Na lista de imigrantes lusófonos, surge depois o Brasil (20°), com 132 pessoas, ficando por inscrever 718 eleitores potenciais (uma taxa de inscritos de 15,5%). Além disso, há ainda a contabilizar seis angolanos (ficando de fora 24 potenciais eleitores), quatro residentes de São Tomé e Príncipe (contra cinco potenciais eleitores) e três da Guiné-Bissau (ficando de fora 51 pessoas que preenchiam as condições para votar). Moçambique, com um eleitor inscrito (ficando de fora dois potenciais), fecha a lista de imigrantes de língua portuguesa.

A taxa de inscrição dos portugueses (isto é, a percentagem de recenseados em relação ao total de pessoas que preenchem as condições para votar) é de 22,7%, em linha com a média do total de estrangeiros, que é de 22,8%.

Segundo o OLAI, desde 8 de outubro de 2016 inscreveram-se mais 9.502 estrangeiros, dos quais 2.366 são portugueses. Aquele organismo aponta que o elevado número de naturalizações (cerca de três mil por ano) fez descer o número de estrangeiros recenseados entre 2011 e 2016, baixando o saldo final.


Notícias relacionadas

Maioria de portugueses no Grão-Ducado nasceram em Portugal
Publicados no âmbito do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, os dados do gabinete luxemburguês de estatísticas (Statec) revelam que sete em cada 10 portugueses residentes no Grão-Ducado nasceram em Portugal (69,4%).
Mais de 44 mil portugueses podem ir às urnas nas próximas legislativas
Se a questão sobre o voto dos estrangeiros nas eleições legislativas passar no referendo de 7 de Junho, nas próximas eleições de 2018, para a escolha de um novo Governo, há mais 105 mil potenciais eleitores estrangeiros que poderão votar. Deste total, mais de 44 mil são portugueses, qualquer coisa como 42% dos potenciais eleitores.
Referendo: Se o "sim" ganhar, menos de 20% dos portugueses vão poder votar
Se o "sim" vencer no referendo sobre o voto dos estrangeiros, a maioria não vai poder votar nas próximas eleições legislativas. A esmagadora maioria dos estrangeiros, incluindo os portugueses, não preenchem uma das condições previstas no referendo, ter votado previamente em eleições comunais ou europeias no Luxemburgo.