Escolha as suas informações

Luxemburgo. Testes serológicos detetam imunidade em 6,88% entre novembro e janeiro
Luxemburgo 14.01.2021

Luxemburgo. Testes serológicos detetam imunidade em 6,88% entre novembro e janeiro

Luxemburgo. Testes serológicos detetam imunidade em 6,88% entre novembro e janeiro

Photo. Anouk Antony
Luxemburgo 14.01.2021

Luxemburgo. Testes serológicos detetam imunidade em 6,88% entre novembro e janeiro

Entre 3.416 testes realizados, 235 foram positivos. Ou seja, foram detetados anticorpos em 6,88% dessa amostra.

Entre novembro e janeiro, o Luxemburgo realizou milhares de testes serológicos, como parte dos testes em grande escala. Dessa análise, acabaram por ser detetados anticorpos para a covid-19 em 6,88%, refere o boletim de balanço semanal do Ministério da Saúde.

"Para os testes serológicos realizados como parte dos testes em grande escala entre 16 de novembro e 5 de janeiro, foram enviados 24.000 convites. Dos 3 416 testes realizados, 235 foram positivos. Ou seja, foram detetados anticorpos em 6,88% dessa amostra", explica o documento publicado esta quarta-feira.


Covid-19. Tendência de descida de casos no Luxemburgo mantém-se na primeira semana de janeiro
Decréscimo nos novos contágios foi acompanhado de menos internamentos, mas ainda não teve impacto na mortalidade que registou uma subida.

Em maio, os primeiros resultados do estudo ‘CON-VINCE’, que visa avaliar a prevalência e as dinâmicas da propagação do SARS-coV-2 no Luxemburgo, apontavam para uma fraca imunidade da população luxemburguesa à covid-19.

Segundo revelou, nessa altura, numa entrevista ao Contacto, Paul Wilmes, investigador da Universidade do Luxemburgo, os testes serológicos realizados entre a amostra de indivíduos seguidos no estudo, mais de 1.800, “revelaram que 1,9% deles (35) possuíam anticorpos em relação ao coronavírus". 

A duração da imunidade para quem foi infetado pelo vírus SARS-Cov-2 também ainda não é objeto de consenso científico, com diferentes estudos a indicarem durações distintas. Contas que se complicam com casos já identificados de reinfeção e com as novas variantes e mutações do vírus que vão sendo conhecidas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas