Luxemburgo

Sírios são os que mais pedem asilo

Jean Asselborn apresentou os dados ontem, quinta-feira
Jean Asselborn apresentou os dados ontem, quinta-feira
Foto: Anouk Antony

A maioria dos requerentes de asilo, no país, são da Síria. Entre 1 de janeiro e 15 de abril, 155 indivíduos daquele país deram entrada para a obtenção do estatuto de refugiado.

52 sírios foram abrangidos e acolhidos pelo Luxemburgo, dentro do  Programa Europeu de Refugiados.

Os números apresentados pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, dizem que em segundo lugar, aparecem os sérvios, com 107 pedidos no mesmo período.

Os sérvios ou outras pessoas oriundas da zona dos Balcãs têm poucas hipóteses de verem os seus pedidos promulgados, tudo porque 92% dos casos não respeitam o regulamento do Tratado de Dublin.

Tratado de Dublin

De salientar, que  o Tratado de Dublin refere que os requerentes de asilo não podem pedir asilo noutro país e caso isso se verifique, o segundo pedido fica sem efeito ou é recusado em função do primeiro, sendo a exportação a medida a tomar.

A percentagem desce para 68% entre todos os pedidos de estatuto, não tomando em atenção a zona de origem.

148 pessoas foram reencaminhadas para os países onde deram entrada com o primeiro pedido, sendo que na maioria foi enviada para a Alemanha e Holanda.

Há 404 casos de requerentes noutro país, dos quais 120 saíram voluntariamente do Luxemburgo.

 Jean Asselborn sublinhou a necessidade de reunir as famílias deslocadas, durante a apresentação dos números.

Há 276 pessoas que podem beneficiar do estatuto de refugiado alargado à família (cônjugue e filhos). Os sírios são os que mais beneficiam desta medida.

“Os familiares serão acolhidos na Embaixada do Luxemburgo em Ankara, na Turquia, ou da Bélgica em Beirute, no Líbano, e serão transportados para cá”, afirmou Asselborn.

Por motivos de segurança, haverá fortes medidas de identificação dos familiares.

O ministro dos Negócios Estrangeiros falou sobretudo da situação na Síria, Iraque e Afeganistão, tendo ainda reconhecido que enquanto os sírios são geralmente reconhecidos como refugiados em toda a União Europeia, om mesmo não se verifica com os iraquianos. Nestes casos, o estatuto só é reconhecido após cuidadosa apreciação.

Dos 722 pedidos de asilo iraquianos, somente 125 foram aprovados, 94 rejeitados e os outros estão em fase de apreciação. Jean Asselborn acredita que até ao terceiro trimestre de 2017, todos os dossiers tenham sido analisados.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.