Escolha as suas informações

Luxemburgo retoma vacinação com AstraZeneca
Luxemburgo 2 min. 18.03.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo retoma vacinação com AstraZeneca

Luxemburgo retoma vacinação com AstraZeneca

AFP
Luxemburgo 2 min. 18.03.2021 Do nosso arquivo online

Luxemburgo retoma vacinação com AstraZeneca

A vacina está de volta ao plano de vacinação nacional a partir desta sexta-feira.

Suspensa "temporariamente" e "por precaução", a vacina que obrigou a Agência Europeia do Medicamento a rever a segurança e a eficácia da AstraZeneca está de volta ao Grão-Ducado já a partir desta sexta-feira. Nas mãos do regulador europeu, o Ministério da Saúde já tinha adiantado que só tomaria uma decisão para retirar ou manter a vacina no plano de vacinação depois do parecer que foi conhecido esta tarde. 

"De acordo com a EMA, a vacina AstraZeneca é segura e eficaz na prevenção de hospitalizações e mortes devidas à covid-19. Com base nas provas analisadas pela EMA, os benefícios da vacina AZ ultrapassam de longe os riscos de efeitos secundários", escreve o Ministério da Saúde Luxemburguês numa nota enviada às redações. "O Luxemburgo retomará portanto a vacinação com a vacina AZ a partir de sexta-feira, 19 de Março, como parte da campanha de vacinação", confirma. 

Na mesma nota, em nome do Governo, o ministério comandado por Paulette Lenert garante que "leva a segurança das vacinas muito a sério" e que "todas as vacinas são acompanhadas de perto". 

Regresso anunciado

Sem surpresa, a Agência Europeia do Medicamento voltou a pronunciar-se a favor da continuação da vacina produzida em colaboração com a Oxford nos planos de vacinação dos restantes estados da UE. De facto, ainda na terça-feira, numa declaração preliminar, a diretora-executiva do regulador europeu dos medicamentos, Emer Cooke, reiterou que embora haja 30 relatos de trombose num universo de cinco milhões de pessoas vacinadas, está "ainda firmemente convencido de que os benefícios da vacina AstraZeneca (...) compensam o risco destes efeitos secundários". 

No mesmo sentido, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já tinha afirmado que embora "qualquer alerta de segurança deva ser investigado", os dados atuais "não fornecem qualquer razão para não utilizar" esta vacina. 

Com uma taxa de eficácia contra os sintomas da covid-19 localizada em torno de 60%, o soro AstraZeneca não aparece como a arma mais eficaz, longe dos 95 e 94% afixados pelos seus concorrentes Pfizer/BioNTech e Moderna, mas mais fácil de usar, uma vez que pode ser armazenado a uma temperatura que varia entre 2° e 8°C. Contra níveis muito mais baixos para os seus concorrentes.

Febre e dor muscular 

Por cá, apesar de "por precaução" as autoridades luxemburguesas terem decidido suspender a utilização da vacina na segunda-feira, não há tromboses nem efeitos colaterais graves. 

Perante as explicações exigidas pelo parlamento, a ministra da Saúde esclarece que os efeitos secundários associados à vacina AstraZeneca "são principalmente devido a casos de síndromes semelhantes à gripe, que normalmente ocorrem no espaço de 24 horas". De resto, as reações mais comuns são episódios de febre alta, dor muscular e dor de cabeça.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas