Escolha as suas informações

Luxemburgo quer alargar nova modalidade de cursos de português a mais escolas
José Luís Carneiro esteve hoje com Claude Meisch numa escola em Esch que arrancou este ano com os cursos complementares de língua portuguesa.

Luxemburgo quer alargar nova modalidade de cursos de português a mais escolas

Fotos: Guy Jallay / Contacto
José Luís Carneiro esteve hoje com Claude Meisch numa escola em Esch que arrancou este ano com os cursos complementares de língua portuguesa.
Luxemburgo 2 min. 26.10.2017

Luxemburgo quer alargar nova modalidade de cursos de português a mais escolas

O Ministério da Educação do Luxemburgo quer alargar o novo modelo de cursos de Português a mais escolas no país. A informação foi avançada pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, que teve hoje um encontro com o ministro da Educação do Luxemburgo, Claude Meisch.

O Ministério da Educação do Luxemburgo quer alargar o novo modelo de cursos de Português a mais escolas no país. A informação foi avançada pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas (SECP), José Luís Carneiro, que teve hoje um encontro com o ministro da Educação do Luxemburgo, Claude Meisch.

“Ficou decidido lançar uma publicação destinada a outras escolas no Luxemburgo, tendo em vista alargar a modalidade dos cursos complementares a outras escolas que manifestaram interesse”, disse José Luís Carneiro, que terminou hoje uma visita de dois dias ao Grão-Ducado. 

 O ministro da Educação do Luxemburgo comprometeu-se também a divulgar os novos cursos complementares junto dos imigrantes portugueses. “Vai ser enviada uma comunicação a todos os pais portugueses no mês de fevereiro, sobre os cursos complementares, para lhes transmitir informação sobre estes e os resultados que estão a ser alcançados”, explicou José Luís Carneiro.

O secretário de Estado visitou hoje a escola primária de Lallange, em Esch-sur-Alzette, onde onde este ano se iniciaram os novos cursos complementares de Português, previstos no memorando de entendimento assinado em abril por António Costa e pelo primeiro-ministro luxemburguês, Xavier Bettel. O acordo pôs fim a um diferendo entre os dois países, depois de no ano passado a autarquia de Esch-sur-Alzette ter anunciado a intenção de acabar com as aulas de português, na modalidade do ensino integrado. Nesta modalidade, que prossegue noutras escolas no país, as aulas de português substituem uma disciplina de Ciências, Historia ou Geografia, sendo a língua usada como instrumento de comunicação. 

 Já na nova modalidade negociada com o Luxemburgo, os cursos são lecionados fora do horário escolar, em aulas em que “os conteúdos estão diretamente relacionados com a língua portuguesa”, “não havendo lugar ao pagamento de propinas”, explicou o SECP. Além disso, os resultados na disciplina de Português farão parte integrante do boletim escolar luxemburguês.  “Os pais mostram um grande interesse nestes cursos”, afirmou José Luís Carneiro, apontando que há 526 crianças a frequentá-los em Esch, havendo “mais 111 alunos em projetos especiais” de aprendizagem de português naquela localidade. “Conseguimos ultrapassar o número de alunos que frequentavam a modalidade anterior” do ensino integrado, que rondava os 550 alunos, afirmou o secretário de Estado.

A "foto de família" dos alunos portugueses com o ministro da Educação do Luxemburgo e o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.
A "foto de família" dos alunos portugueses com o ministro da Educação do Luxemburgo e o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.
Foto: Guz Jallay / Contacto

José Luís Carneiro e o ministro da Educação do Luxemburgo visitaram hoje uma turma onde estes cursos são lecionados a crianças entre os 10 e os 12 anos. “Falámos com 14 alunos e pudemos verificar que se exprimiam em português, luxemburguês, francês e alemão, o que mostra a belíssima capacidade de aprendizagem dos alunos portugueses”. 

P.T.A.


Notícias relacionadas