Escolha as suas informações

Luxemburgo perde 32 horas por ano em engarrafamentos
Luxemburgo 28.10.2016 Do nosso arquivo online
Transportes

Luxemburgo perde 32 horas por ano em engarrafamentos

Transportes

Luxemburgo perde 32 horas por ano em engarrafamentos

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 28.10.2016 Do nosso arquivo online
Transportes

Luxemburgo perde 32 horas por ano em engarrafamentos

O tempo gasto em situações de congestionamento nas estradas do Grão-Ducado aumentou em relação ao ano anterior.

Em geral, os residentes no Luxemburgo estão relativamente satisfeitos com a rede de transportes públicos, seja o autocarro, o comboio ou até o avião. E este nível de satisfação não tem parado de melhorar nos últimos anos. No entanto, o mesmo não pode ser dito relativamente aos proprietários de veículos particulares que gastaram uma média de 32,21 horas por ano no trânsito.

O tempo gasto em situações de congestionamento nas estradas do Grão-Ducado aumentou em relação ao ano anterior, que registou uma média de horas de 31,15 horas.

O estudo "Transport Scoreboard 2016" da União Europeia, avaliou o Luxemburgo e 26 outros países no sector dos transportes.

O Luxemburgo não obteve as melhores classificações quando se trata do número de veículos movidos a combustíveis alternativos, como os veículos elétricos. No entanto, o número de pontos de carregamento elétrico no país está bem acima da média europeia.

A pontuação do Luxemburgo para o número de mulheres empregadas no sector dos transportes também não é muito positiva. O Grão-Ducado está atrasado em 12% em relação à média europeia, que se fixa nos 22%.

Saiba mais no site da Comissão Europeia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Nos últimos 10 anos, 80% do crescimento da população que vive dentro das fronteiras luxemburguesas deve-se ao número de pessoas que deixa o país de origem para trás.
No ano passado chegaram ao Luxemburgo 3.355 portugueses, menos 170 que no ano anterior. Este é o quarto ano consecutivo em que o número de chegadas ao Grão-Ducado diminui, constata o Observatório da Emigração, que aponta que é preciso recuar até 2002 para encontrar um valor mais baixo.