Escolha as suas informações

Luxemburgo. Números da covid-19 descem mas internamentos nos cuidados intensivos continuam altos
Luxemburgo 3 min. 22.04.2021

Luxemburgo. Números da covid-19 descem mas internamentos nos cuidados intensivos continuam altos

Luxemburgo. Números da covid-19 descem mas internamentos nos cuidados intensivos continuam altos

Foto: Patrick Pleul/dpa-Zentralbild/dp
Luxemburgo 3 min. 22.04.2021

Luxemburgo. Números da covid-19 descem mas internamentos nos cuidados intensivos continuam altos

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Doentes hospitalizados nos cuidados intensivos são cada vez mais novos, sublinha o relatório semanal das autoridades de saúde.

A tendência de descida de novos contágios e mortes por covid-19, no Luxemburgo, manteve-se na última semana, mas a situação nos internamentos em cuidados intensivos continuou "tensa", reconhece o Ministério da Saúde, no boletim de balanço semanal, que analisa a evolução epidemiológica de 12 a 18 de abril.

De acordo com o documento, nessa semana o número de pessoas com testes positivos continuou a diminuir ligeiramente de 1.265 para 1.261 (-1%), tal como o número dos seus contactos próximos identificados, que passou de 3.122 para 2.943 contactos (-6%). Valores que comparam com um aumento dos testes PCR realizados, que passaram de 54,621 para 60,360, entre 12 e 18 de abril. Em relação aos testes de antigénio, foram reportados 149 resultados positivos.

A 18 de abril, o número de infeções ativas, no país era de 2.828 (em comparação com 3.186 a 11 do mesmo mês). Por outro lado, na última semana, cresceu de 59.982 para 61.530 a quantidade de pessoas já curadas da doença.


"Perfil dos hospitalizados está a mudar", alerta médico intensivista do CHL
Desabafo do médico do Centro Hospitalar do Luxemburgo (CHL) foi publicado nas redes sociais.

No que respeita ao número de mortes associadas à covid-19, manteve-se a tendência de descida das semanas anteriores, tendo sido registados oito óbitos, na última semana, em comparação com 12 na semana anterior. A idade média dos falecidos situou-se nos 73 anos.

Em contraciclo estão ainda os internamentos de doentes graves. Apesar de nos hospitais ter havido uma diminuição das admissões de doentes covid-19 em cuidados normais, com 84 hospitalizações, na última semana, que comparam com 104 da anterior, a situação nos cuidados intensivos "continua a ser tensa".

O número de camas ocupadas nestas unidades aumentou de 30 para 33 (incluindo um paciente do Grand Est) e o perfil dos doentes graves também mudou, sendo cada vez mais novos. "Observamos que a idade média dos pacientes hospitalizados continua a diminuir (de 61 para 57 anos)", sinaliza o documento. 

Taxas de positividade e de incidência descem

No período em análise do relatório, a taxa de reprodução efetiva (RT eff) diminuiu para 0,91 em comparação com 0,95 na semana anterior. Uma tendência descendente que também se verificou na taxa de positividade em todos os testes realizados (prescrições, testes em grande escala, rastreio de contactos), onde se registou uma diminuição de 2,32% para 2,09% (média para a semana). 

Por outro lado, a taxa de positividade para testes realizados com receitas médicas, ou seja, para pessoas com sintomas, aumentou de 5,21% para 5,88%

Mesmo assim, o resultado final traduziu-se numa estabilização da taxa de incidência que permaneceu com 201 casos por 100.000 habitantes, para um período de sete dias. Na semana de 5 de abril, a taxa de incidência foi de 202 casos por 100.000 habitantes, durante sete dias. 

Só nos jovens e jovens adultos há subida da incidência

Em comparação com a semana anterior, registou-se, entre 12 e 18 e abril, uma descida da taxa de incidência em todos os grupos etários, exceto na faixa dos 15 aos 29 anos (+10%). 

A maior diminuição foi observada no grupo etário dos 60-74 anos (-17%), seguido pelo grupo etário dos 75+ (-14%). 

Em termos gerais, o grupo etário dos 75+ tem a taxa de incidência mais baixa, com 106 casos por 100.000 habitantes, seguido do grupo etário dos 60-74 anos com 124 casos por 100.000 habitantes. 


Lenert. Três pessoas morreram após toma de vacina. Investigação a decorrer
A Ministra da Saúde adiantou que estão a decorrer investigações relacionadas com estas mortes mas ainda não há conclusões.

Para estes resultados estará a contribuir a campanha de vacinação em curso contra a covid-19. Segundo refere o boletim, "observam-se taxas de incidência significativamente mais baixas no grupo etário dos 60+, que tem sido o principal alvo da campanha de vacinação até agora".

Na semana de 12 a 18 de abril, foi administrado um total de 33.812 doses de vacinas contra a covid-19: 22.065 pessoas receberam a primeira dose e 11.747 a segunda.  A 20 de abril estavam já vacinadas (1ª e 2ª dose) 165.515, no Luxemburgo.






Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas