Escolha as suas informações

Luxemburgo. Número de casos desceu mas mortes por covid-19 voltaram a subir na última semana
Luxemburgo 3 min. 06.05.2021

Luxemburgo. Número de casos desceu mas mortes por covid-19 voltaram a subir na última semana

Luxemburgo. Número de casos desceu mas mortes por covid-19 voltaram a subir na última semana

AFP
Luxemburgo 3 min. 06.05.2021

Luxemburgo. Número de casos desceu mas mortes por covid-19 voltaram a subir na última semana

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Número de óbitos quase que duplicou entre semanas, passando de cinco para nove, apesar de os internamentos terem registado uma descida.

Na semana de 26 de abril a 2 de maio, o número de infeções desceu, mas o de mortes por covid-19 subiu, revela o relatório de balanço semanal das autoridades de saúde. 

Nesse período, o número de pessoas com testes positivos para a covid-19  continuou a diminuir ligeiramente de 1.231 para 1.119 (-9%), apesar do número dos contactos próximos identificados ter aumentado de 2.517 para 2.967 (+18%). Na última semana, o número de testes PCR realizados diminuiu de 54.045 para 50.968, tendo 190 pessoas comunicado resultado positivo em testes rápidos.

A partir de 2 de maio, o número de infeções ativas desceu para 2.584, face a 2.806 registados a 25 de abril, enquanto o número de pessoas curadas aumentou de 62.779 para 64.094. 

Por outro lado, o número de novas mortes subiu, tendo-se registado nove mortes relacionadas com a covid-19, em comparação com cinco na semana anterior. A idade média dos falecidos foi de 76 anos.

Apesar do aumento de óbitos, nos internamentos registou-se um decréscimo  nas admissões hospitalares de doentes covid-19, com 58 hospitalizações registadas por comparação com 71, na semana anterior. Segundo o relatório, a situação na unidade de cuidados intensivos continua "tensa", ainda que tenha havido uma ligeira diminuição do número de camas ocupadas de 36 para 34. Em contrapartida, a idade média dos pacientes hospitalizados desceu dos 60 para os 56 anos. 

Taxa de positividade a descer

No período em análise, a taxa de reprodução efetiva (RT eff) manteve-se estável, em 0,93. Já a taxa de positividade para todos os testes realizados (prescrições, testes em grande escala, rastreio de contactos) passou de 2,28% para 2,20% (média semanal). 

Nos testes realizados com receitas médicas, para pessoas sintomáticas, observou-se uma diminuição de 6,27% para 5,32%. 

Taxa de incidência desce em todos os grupos etários

Entre 26 de abril e 2 de maio, a taxa de incidência manteve a tendência de descida, registando-se 176 casos por 100.000 habitantes, para um período de sete dias, face a 194 casos por 100.000, na semana de 19 de abril. 

Em comparação com a semana anterior, a taxa de incidência diminuiu em todos os grupos etários. 

A maior descida foi registada no grupo dos 75 anos ou mais (-41%), seguido da faixa dos 60 aos 74 anos (-25%).  Também foi nestes dois grupos que se registaram as taxas de incidência mais baixa, com 58 casos por 100 mil habitantes, no primeiro, e 77 casos por 100 mil habitantes no segundo. 

Em comparação com o resto da população, a taxa de incidência é 2,5 vezes mais baixa entre as pessoas com 60 anos ou mais, facto a que estará associado ser este o grupo etário o principal alvo da campanha de vacinação até agora. 

No que respeita às variantes, a variante britânica (B.1.1.7) representa 85,3% dos casos, seguida da sul-africana (B.1.351), correspondente a 10,4% das infeções e da brasileira (P.1), que representa 1,2% dos casos. 

Na semana de 16 de abril foram detetados três casos da variante indiana (B.1.617), no país.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas