Escolha as suas informações

Luxemburgo não quer trotinetes elétricas partilhadas a circular na capital
Luxemburgo 16.07.2019

Luxemburgo não quer trotinetes elétricas partilhadas a circular na capital

Luxemburgo não quer trotinetes elétricas partilhadas a circular na capital

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 16.07.2019

Luxemburgo não quer trotinetes elétricas partilhadas a circular na capital

A autarca da cidade do Luxemburgo, Lydie Polfer, recusa-se a ver estes veículos de duas rodas a serem disponibilizados nas ruas da capital, por recear sobretudo que possam provocar mortes em acidentes de viação nas estradas.

As trotinetes elétricas partilhadas são utilizadas cada vez mais como meio de transporte alternativo em várias cidades europeias, e Metz é mais uma que se vai juntar a esta tendência, disponibilizando a partir de setembro estes veículos de duas rodas nas ruas da cidade. Mas, no Luxemburgo, o cenário é o oposto.


Quer comprar uma bicicleta? Já pode pedir uma ajuda ao Estado
Novo regime de incentivos do governo do Grão-Ducado pretende promover o uso de veículos com zero emissões ou com emissões mais reduzidas, em prol do ambiente.

"Não vamos oferecer trotinetes elétricas partilhadas, sou firme quanto a este assunto", disse a autarca da cidade do Luxemburgo, Lydie Polfer. "Não quero isso na capital. Não quero mortes, como foi o caso em Paris". A autarca referia-se a um caso que ocorreu em junho na capital francesa, onde um homem de 25 anos que se deslocava de trotinete elétrica morreu depois de ter recusado dar prioridade a um camião.

Atualmente, não é possível saber quantas pessoas que se deslocavam de trotinete elétrica foram multadas na cidade do Luxemburgo. "Como não existe um artigo específico no código da estrada que regule a sua utilização, as multas são aplicadas caso a caso", explicou um porta-voz da polícia, ao Luxemburguer Wort. Dessa forma, seria necessário fazer "uma análise detalhada das cerca de 30.000 advertências fiscais emitidas anualmente" para estimar o número total de multas, algo que, segundo o mesmo porta-voz, é "impossível de fazer".    


Greenpeace pede fim dos veículos a diesel a ministros reunidos no Luxemburgo
"A maior parte dos governos negligenciou a urgência da crise ambiental", considera a organização ambiental.

Face a esta constatação, o Ministério da Mobilidade assegurou que "as alterações ao código da estrada vão entrar em vigor o mais rapidamente possível", sem no entanto indicar uma data.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas