Escolha as suas informações

Luxemburgo. Metade da população está confinada em casas "demasiado grandes"
Luxemburgo 23.04.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo. Metade da população está confinada em casas "demasiado grandes"

Luxemburgo. Metade da população está confinada em casas "demasiado grandes"

Foto : Pierre Matgé
Luxemburgo 23.04.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo. Metade da população está confinada em casas "demasiado grandes"

Diana ALVES
Diana ALVES
Luxemburgo é o sétimo da lista do Eurostat.

Em tempos de confinamento, o Eurostat revela que mais de metade da população do Luxemburgo vive em casas "demasiado grandes", isto é, com um número excessivo de quartos face às necessidades dos moradores.

A percentagem é de 53,7%, bastante acima da média comunitária de 33%. Na comparação europeia, o país é o sétimo da lista, sendo ultrapassado apenas por Malta, Irlanda, Chipre, Bélgica, Espanha e Holanda, onde as taxas variam entre os 73,4% e os 53,9%.

Os dados são referentes a 2018, mas, tendo em conta a evolução dos últimos anos, tudo indica que não terão mudado muito desde então, pelo que isso poderá significar que a maioria dos residentes do Luxemburgo está confinada em casas ou apartamentos considerados grandes.


Habitação. Esch-sur-Alzette tem as casas mais pequenas e Niederanven as maiores
Segundo recentes dados do STATEC e do Observatório da Habitação, Esch-sur-Alzette tem, em média, as casas e apartamentos mais pequenos do país e Niederanven os maiores. De acordo com o estudo elaborado pelos dois organismos sobre o setor imobiliário, a superfície média de uma habitação varia entre os 95 metros quadrados (m²), em Esch e os 193, em Niederanven.

Apenas 8,4% dos habitantes do Grão-Ducado estão na situação oposta: vivem em habitações sobrelotadas. Casas que, como sublinha o Eurostat, poderão parecer ainda mais pequenas numa altura em que famílias inteiras se encontram confinadas em casa, com pais em teletrabalho e crianças a estudar a partir de casa.

Em relação à percentagem de pessoas a viver em casas sobrelotadas, Roménia (46,3%), Letónia (43,4%) e Bulgária (41,6%) são os Estados-membros com as percentagens mais elevadas. O Luxemburgo, por seu lado, aparece entre os dez países da UE com os valores mais baixos e abaixo da média europeia de 17,1%. Mesmo assim, o Grão-Ducado apresenta uma taxa superior à das vizinhas França (8,2%), Alemanha (7,4%) e Bélgica (5,7%).

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (STATEC) e do Observatório da Habitação, divulgados no início do mês, Esch-sur-Alzette tem, em média, as casas e apartamentos mais pequenos do país e Niederanven os maiores. De acordo com um estudo dos dois organismos sobre o setor imobiliário, a superfície média de uma habitação varia entre os 95 metros quadrados (m²), em Esch, e os 193, em Niederanven.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas