Escolha as suas informações

Luxemburgo mantém alerta de segurança em nível 2, o segundo mais baixo
Luxemburgo 15.11.2015

Luxemburgo mantém alerta de segurança em nível 2, o segundo mais baixo

Xavier Bettel diz que não há "uma ameaça concreta" de ataques terroristas no Luxemburgo

Luxemburgo mantém alerta de segurança em nível 2, o segundo mais baixo

Xavier Bettel diz que não há "uma ameaça concreta" de ataques terroristas no Luxemburgo
Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 15.11.2015

Luxemburgo mantém alerta de segurança em nível 2, o segundo mais baixo

O primeiro-ministro do Luxemburgo diz que não há "uma ameaça concreta" de ataques terroristas no país, e vai manter a vigilância em alerta 2, o segundo mais baixo no plano de segurança contra atentados.

O primeiro-ministro do Luxemburgo diz que não há "uma ameaça concreta" de ataques terroristas no país, e vai manter a vigilância em alerta 2, o segundo mais baixo no plano de segurança contra atentados.

Xavier Bettel falava no final da reunião do Conselho de Ministros extraordinária para discutir o reforço das medidas de segurança após os atentados na capital francesa, que se realizou no sábado.

O primeiro-ministro luxemburguês indicou no entanto que o Governo luxemburguês vai aumentar o policiamento nos aeroportos e nas fronteiras, após o Executivo francês ter decidido restabelecer o controlo fronteiriço.

A escala de ameaça de atentados tem cinco graus, sendo o quinto, "ameaça iminente",  o mais grave, activando-se apenas quando as forças de segurança acreditam que está iminente um atentado terrorista.

Espanha, que foi alvo do atentado mais mortífero na Europa na última década, em 2004 (com 191 mortos), e o Reino Unido, onde um ano depois uma série de bombas no metro e num autocarro fizeram 56 mortos, decidiram para já manter o nível de ameaça terrorista no grau 4, que indica "risco alto", mas abaixo do máximo, "atentado iminente". Este grau pressupõe um maior controlo policial, incluindo o policiamento de infraestruturas consideradas críticas.

Os dois países tinham elevado o grau de alerta de 3 para 4 em Janeiro, na sequência dos atentados terroristas ao jornal francês Charlie Hebdo, tendo agora decidido mantê-lo em nível 4.

A Grã-Bretanha está no entanto a estudar a hipótese de elevar o nível de segurança para alerta máximo, segundo o jornal The Guardian, que cita o primeiro-ministro britânico, David Cameron. O Governo inglês tem hoje uma reunião para discutir o plano de alerta.



Notícias relacionadas