Escolha as suas informações

Luxemburgo já esgotou os recursos ambientais do planeta
Luxemburgo 2 min. 17.02.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo já esgotou os recursos ambientais do planeta

Luxemburgo já esgotou os recursos ambientais do planeta

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 2 min. 17.02.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo já esgotou os recursos ambientais do planeta

Se toda a humanidade vivesse como o Luxemburgo seriam necessários oito planetas para responder às suas necessidades de consumo.

O Luxemburgo esgotou este domingo, 16 de fevereiro, os recursos ambientais para todo o ano. 

De acordo com a ONG americana Global Footprint Network, o Grão-Ducado ultrapassou a capacidade de renovação dos recursos naturais do planeta, e segue o mau exemplo ambiental do Qatar, que os esgotou a 11 de fevereiro.  

Nos últimos anos os dois países têm regredido nesta matéria, ultrapassando cada vez mais cedo o limite dos recursos ambientais da Terra. Apesar de o Luxemburgo não ter registado alterações do ano passado para este - atingiu limite em 2019 também a 16 de fevereiro -, em 2018, demorou mais três dias a ultrapassá-lo (a 19 de fevereiro). 

Na prática, referem as contas da ONG, se toda a humanidade vivesse como o Luxemburgo seriam necessários oito planetas para responder às suas necessidades de consumo.    

Modo de vida atinge cada vez mais rápido a insustentabilidade

O Grão-Ducado apresenta um modo de vida significativamente menos sustentável que os seus vizinhos. Na Bélgica, esta data simbólica é 5 de Abril, enquanto na Alemanha é 3 de Maio e em França 14 do mesmo mês. 

No último ano, também foi em maio que Portugal esgotou as capacidades naturais da Terra. O país gastou todos os recursos naturais disponíveis para esse ano, 21 dias mais cedo do que em 2018.

No seu conjunto é no mês de julho que o mundo ultrapassa o limite para lá do qual a Terra não consegue renovar os seus recursos. Há 20 anos era necessário esperar até setembro para chegar a essa linha vermelha. Na década de 70 do século XX seria preciso um ano, uma vez que o limite só era atingido no final de dezembro.

Luxemburgo no fundo da tabela europeia das energias renováveis

O Luxemburgo também continua a avançar pouco no que toca à aposta nas energias renováveis.

De acordo com os dados mais recentes do Eurostat, o Luxemburgo é o terceiro país da União Europeia com menor quota de utilização de energias renováveis no seu consumo energético.

O Grão-Ducado aparece no fundo da tabela, juntamente com mais três países. Com a menor quota de energias no seu consumo energético global estão a Holanda (7,4%), Malta (8,0%), Luxemburgo (9,1%) e Bélgica (9,4%).  

No seu conjunto,a União Europeia estabeleceu como meta para 2020 uma quota de 20%. Para 2030, o objetivo é de alcançar, pelo menos, os 32% na utilização de energias renováveis.  

AT


Notícias relacionadas

O Grão-Ducado quer atingir os 11% de energia renovável até final de 2020. Pactos com os países bálticos, fomento da produção nacional e um novo imposto sobre o CO2 são algumas das medidas para lá chegar.
O Luxemburgo e a Lituânia assinaram hoje um acordo sobre energias renováveis, o primeiro do género a ser assinado entre dois Estados da União Europeia (UE). Trata-se de um acordo que permitirá, na prática, à Lituânia vender parte da energia produzida através de fontes renováveis ao Luxemburgo. O objetivo é que o Grão-Ducado consiga cumprir a sua meta comunitária de produção de renováveis.
O Grão-Duque, o ministro da Economia, Etienne Schneider, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, deslocaram-se à Lituânia para uma visita oficial de três dias.