Escolha as suas informações

Luxemburgo. Imigrantes portugueses são os que menos aceitam vacinar-se contra a covid-19
Luxemburgo 3 min. 28.12.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo. Imigrantes portugueses são os que menos aceitam vacinar-se contra a covid-19

Luxemburgo. Imigrantes portugueses são os que menos aceitam vacinar-se contra a covid-19

AFP
Luxemburgo 3 min. 28.12.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo. Imigrantes portugueses são os que menos aceitam vacinar-se contra a covid-19

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Uma sondagem realizada no País revela que os portugueses e os belgas são os mais reticentes a receber a vacina anti-covid. No total, 55% dos residentes quer vacinar-se.

“Se for aprovada e disponibilizada uma vacina que o protege contra a covid-19, qual será a probabilidade de querer ser vacinado?”. Esta foi a pergunta colocada por cientistas do Laboratório Nacional da Saúde (LNS) e da Direção da Saúde à população do Luxemburgo, entre 30 de novembro e 5 de dezembro. 

No total dos inquiridos, 55% admitiu querer ser vacinado contra o vírus da epidemia, enquanto 32% disse não pretender receber a vacina ou considerou "ser pouco provável” que venha a querer ser vacinado. 13% ainda não tem a certeza.

A vacinação contra a covid-19 não é obrigatória no País, é feita de modo voluntário pelo que apenas quem quer é que será vacinado.

Portugueses e belgas

Os portugueses do Luxemburgo são, a par com os belgas, os imigrantes que menos querem receber a vacina anti-covid, ou consideram ser “pouco provável ou muito pouco provável” aceitar ser vacinado.

 “Quanto às nacionalidades residentes no Luxemburgo ou na região fronteiriça, a disponibilidade para se vacinar é maior entre os alemães e outras nacionalidades e menor entre os belgas e os portugueses. Os luxemburgueses e os franceses estão no centro”, revela a sondagem coordenada pelos cientistas Ardashel Latsuzbaia do LNS e Joel Mossong, da Direção da Saúde e publicada na Science.lu.

De salientar que a maioria (74%) dos inquiridos nesta sondagem são de nacionalidade luxemburguesa.

As razões para levar a vacina

A vontade de querer receber esta nova vacina é maior entre os residentes que se sentem bem informados sobre a vacinação em geral, e sobre a vacina contra a covid-19, em particular. Os menos informados são os mais desconfiados quanto a esta imunização contra o vírus da pandemia.

De relembrar que os especialistas nacionais e internacionais consideram que a vacina é a única solução, de momento, para travar a epidemia que há nove meses está a afetar o mundo, com graves consequências de saúde pública e económica.

A sondagem mostrou ainda que as pessoas mais velhas estão mais dispostas a receber a vacina do que os mais jovens, e mais homens do que mulheres disseram querer ser vacinados.

Ao nível do género, o resultado do Luxemburgo é diferente de um outro estudo científico publicado na revista Nature Medecine, onde a vontade de querer ser imunizado vacina anti-covid através da vacina foi ligeiramente maior nas mulheres do que nos homens.

Por outro lado, são as pessoas mais positivas quanto à vacinação em geral e as que foram mais vacinadas contra outras doenças, as mais dispostas a querer ser agora vacinadas contra a covid-19.

“A maioria dos participantes sente que está bem informada sobre o tópico da vacinação em geral, mas menos bem informada sobre o tópico da vacina Covid-19”, lê-se no resumo da sondagem.

Um dos problemas revelados é o da comunicação e divulgação sobre os riscos e efeitos colaterais potenciais relacionados à vacina Covid-19, tendo a maioria considerado que esta informação não está a ser “comunicada de forma correta e transparente”.


Luxemburgo começa hoje a administrar a vacina contra a covid-19
O primeiro lote de vacinas chegou no sábado ao Grão-Ducado.

Apelo à vacinação

O estudo lembra que os virologistas consideram que a pandemia estará controlada num país “quando 60-70% da população já está vacinada contra a Covid-19 e que a imunização se prolongue por um, ou mais anos, o que ainda é melhor”.

Paul wilmes, investigador e coordenador da task force Covid, o grupo de cientistas que estuda a doença no país lança um apelo à vacinação dos imigrantes portugueses devido aos resultados deste estudo.

"Penso que devem ser feitos esforços concertados pela população luxemburguesa, incluindo no seio da comunidade portuguesa, para se vacinar. Uma vacinação ampla e rápida é a única forma de sair da pandemia", declara ao Conctacto Paul Wilmes.

Também o  Governo tem apelado à população para que seja vacinada contra a covid-19.

Paulette Lenert está confiante. “Acho que muitas pessoas irão vacinar-se”, declarou numa conferência.

“Tem de ser uma opção voluntária, cabe a cada um decidir livremente, mas espero que as pessoas tenham confiança e se vacinem”, apelou na altura a ministra da Saúde. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou a 23 de julho o uso da vacina anticovid-19 da Moderna para crianças dos 12 aos 17 anos na União Europeia (UE), sendo este o segundo fármaco aprovado pelo regulador europeu para esta faixa etária, após a Pfizer, da BioNTech.
Ainda não se sabe se uma terceira dose da vacina anticovid-19 vai ser necessária, mas se for o caso, o Luxemburgo está preparado para esse facto. A garantia é dada pela ministra da Saúde, Paulette Lenert, numa resposta parlamentar ao deputado do ADR, Jeff Engelen.