Escolha as suas informações

Luxemburgo. Este foi o 2º agosto mais quente desde 1838
Luxemburgo 02.09.2020

Luxemburgo. Este foi o 2º agosto mais quente desde 1838

Le premier épisode de vague de chaleur devrait durer jusqu'à vendredi.

Luxemburgo. Este foi o 2º agosto mais quente desde 1838

Le premier épisode de vague de chaleur devrait durer jusqu'à vendredi.
Photo : Guy Wolff
Luxemburgo 02.09.2020

Luxemburgo. Este foi o 2º agosto mais quente desde 1838

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
O verão 2020 foi “extremo com uma longa onde de calor em agosto e seca severa em julho”, avança o ministério da agricultura.

Foram 12 dias consecutivos de calor em agosto com temperaturas acima da média, tendo os valores mais altos de 38,3° celsius sido registados em Steinsel, no dia 9 de agosto. De acordo com a análise do verão de 2020 do serviço AgriMeteo, publicada  quarta-feira, o mês passado foi o segundo agosto mais quente desde 1838, ano em que se iniciou o registo das temperaturas no Luxemburgo.

Já o mês de julho inclui-se entre os dez mais secos desde 1851, refere o AgriMeteo, o serviço meteorológico da Administração de Serviços Técnicos da Agricultura (ASTA) do Ministério da Agricultura, Viticultura e Desenvolvimento Rural.

O verão de 2020 foi “extremo com uma longa onde de calor em agosto e seca severa em julho”, avança o relatório deste verão indicando que, em agosto as temperaturas médias tiveram uma subida que chegou aos +3,3 graus celsius em Clemency e a tal “onda invulgarmente longa” de calor, o que é raro acontecer no País. Resultado, o verão de 2020 foi o 10º mais quente desde 1838.


A seca nos últimos meses está a condicionar o resultado das culturas no Luxemburgo.
Seca no Luxemburgo preocupa agricultores
A baixa precipitação dos últimos meses poderá ter consequências graves para as diversas culturas no país.

Quente e seco

À exceção de algumas trovoadas locais e no último fim de semana de agosto quase não choveu nos meses de julho e agosto o que tornou também o julho um dos 10 mais secos desde 1851. O sul e a região de Moselle onde a falta de chuva foi mais marcante acabaram por sofrer especialmente com a seca.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas