Escolha as suas informações

Luxemburgo está entre os três países da UE sem extrema-direita no parlamento
Luxemburgo 07.10.2019

Luxemburgo está entre os três países da UE sem extrema-direita no parlamento

André Ventura o deputado do Chega.

Luxemburgo está entre os três países da UE sem extrema-direita no parlamento

André Ventura o deputado do Chega.
LUSA
Luxemburgo 07.10.2019

Luxemburgo está entre os três países da UE sem extrema-direita no parlamento

Com a eleição do deputado do Chega para a assembleia portuguesa, restam apenas Grão-Ducado, Irlanda e Malta entre os países comunitários.

Depois das eleições legislativas deste domingo, Portugal deixou de ser um dos quatro países, da União Europeia, sem a extrema-direita representada no parlamento. 

Com a eleição de André Ventura, 36 anos, pelo partido Chega, para a Assembleia da República, o país passa a fazer parte do grupo da maioria dos estados-membros que contam com forças da extrema-direita nos seus parlamentos.

O Chega já tinha concorrido na coligação Basta, às eleições Europeias, no final de maio, com André Ventura como cabeça de lista. Mas foi no último escrutínio eleitoral - as legislativas deste domingo, 6 de outubro -, que o advogado, professor universitário e comentador de televisão foi eleito, pelo partido que lidera, o Chega, na lista de Lisboa.

As lutas de André Ventura

Apesar de negar o rótulo de extrema-direita, o Chega e André Ventura apresentam-se uma agenda com vários pontos em comum: discursos hostis contra as minorias étnicas, nomeadamente a comunidade cigana, contra a atual política de imigração, contra a despenalização do aborto, contra o financiamento estatal dos serviços públicos ou por uma revisão das penas, com a restituição da prisão perpétua e castração de pedófilos, redução de deputados e a extinção do Ministério da Educação.

A queda do número de votos de partidos como o CDS ou o PSD também pode explicar a ascensão do Chega, que se assume como o partido dos “descontentes com o sistema”. 

66 mil votos, a maioria em Lisboa

Nestas eleições, a formação reuniu votos de eleitores desiludidos com os partidos da direita tradicional, mas terá captado também eleitores nacionalistas. André Ventura, que foi também vereador do PSD na Câmara Municipal de Loures, mas que saiu do partido em oposição à atual liderança, de Rui Rio, conquistou  mais de 66 mil votos, a sua maioria no distrito de Lisboa.

Com esta alteração no quadro político português, o Luxemburgo, a Irlanda e Malta são os únicos países da União Europeia sem formações de extrema-direita no seus parlamentos.  


Notícias relacionadas

A extrema-direita elege um deputado em Portugal
Pela primeira vez desde a queda da ditadura em 1974 a extrema-direita consegue entrar no Parlamento de São Bento. O feito deve-se a um professor de direito e comentador de futebol numa das estações de televisão mais vistas em Portugal.