Escolha as suas informações

Luxemburgo é um dos poucos que cumpre na hora de ajudar países em desenvolvimento
Luxemburgo 2 min. 17.05.2019

Luxemburgo é um dos poucos que cumpre na hora de ajudar países em desenvolvimento

Luxemburgo é um dos poucos que cumpre na hora de ajudar países em desenvolvimento

Foto: AFP
Luxemburgo 2 min. 17.05.2019

Luxemburgo é um dos poucos que cumpre na hora de ajudar países em desenvolvimento

Os contributos financeiros destinados à cooperação voltaram a diminuir na Europa, com o Grão-Ducado a ser um dos quatro Estados-membros que respeitam os objetivos fixados.

A ajuda coletiva ao desenvolvimento da União Europeia voltou a cair no ano passado pelo segundo ano consecutivo, alertou o Conselho Europeu, uma tendência que aquele órgão vê "com crescente preocupação", indicaram os ministros europeus num relatório aprovado em Bruxelas. 

Aquele órgão lamenta também "o fosso cada vez mais profundo para alcançar o objetivo coletivo" de contribuir com 0,7 % do Produto Interno Bruto (PIB) para a ajuda ao desenvolvimento. Esta meta, fixada nos Objetivos do Milénio pela ONU, só é cumprida por quatro países: Suécia (1,04 %), Luxemburgo (0,98 %), Dinamarca (0,71 %) e Reino Unido (0,70 %). Segundo o Conselho da UE, a média coletiva europeia foi de 0,47 % do PIB. 

No ano passado, o Luxemburgo contribuiu com 420 milhões de euros, anunciou esta terça-feira a ministra da Cooperação e da Ajuda Humanitária, Paulette Lenert (LSAP). O Grão-Ducado é o segundo país mais generoso a seguir à Suécia, em termos da mais elevada percentagem do PIB atribuída à ajuda ao desenvolvimento, destacou a ministra. A ministra socialista admitiu no entanto que a contribuição continua a ser "pequena": "420 milhões é muito dinheiro para um pequeno país como o Luxemburgo, mas é evidente que o contributo, à escala mundial, é modesto". 

Os Objectivos do Milénio estabeleciam como meta reduzir para metade, entre 2000 a 2015, a pobreza extrema e a mortalidade infantil no mundo e a luta contra várias epidemias, como a SIDA, promovendo o acesso à educação, a igualdade dos sexos e o desenvolvimento sustentável. Um projeto que está longe de ter sido atingido, lamentou a ministra. "Por esta razão, penso que o Grão-Ducado, que é um dos países mais ricos do mundo, tem de assumir uma responsabilidade de princípio e posicionar-se como membro comprometido e eficaz na comunidade internacional", defendeu. "O Luxemburgo não é uma ilha. A nossa vida está estreitamente ligada à das pessoas de outros países e outros continentes."

Apesar da tendência negativa, a UE e os seus Estados-membros continuam a ser o principal provedor da ajuda ao desenvolvimento, representando 57 % do apoio total do Comité de Assistência ao Desenvolvimento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). 

Em 2018, a ajuda coletiva da UE atingiu os 74.400 milhões de euros, tendo caído 731 milhões em relação a 2017.


Notícias relacionadas