Escolha as suas informações

Luxemburgo e Portugal no 'top 20' de países com melhor qualidade de ar

Luxemburgo e Portugal no 'top 20' de países com melhor qualidade de ar

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 11.04.2019

Luxemburgo e Portugal no 'top 20' de países com melhor qualidade de ar

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Apesar da boa qualidade de ar do Grão-Ducado, há ameaças de centrais do outro lado da fronteira, que podem ser mortais.

O Luxemburgo e Portugal estão entre os países com menos poluição do ar. De acordo com o "Relatório Mundial da Qualidade do Ar 2018", publicado recentemente pela empresa suíça AirVisual, num total de 73 países analisados, o Luxemburgo é o 15° país com menos partículas prejudiciais ao sistema respiratório, com uma média de 11.2 microgramas de partículas suspensos no ar (Particulate matter - PM).

Melhor na tabela está Portugal, que ocupa o 11° lugar com uma média de 10.3 microgramas de partículas finas. Os dois países estão no segundo melhor grupo, com a designação "boa qualidade de ar".

Quanto ao ranking entre os países europeus, o Grão-Ducado aparece no 11° lugar e Portugal em 7°.

Nas capitais, a cidade do Luxemburgo é a 11a menos poluída, enquanto Lisboa aparece dois lugares mais abaixo, ambas com "boa qualidade do ar".

Nova Deli, na Índia, é capital com o ar mais tóxico, com uma média de 113 micrograma de partículas finas.

Embora o ar que se respira no Luxemburgo seja bom, há no entanto ameaças do outro lado da fronteira. As partículas finas libertadas pelas centrais a carvão de Neurath, Weisweiler e Niederaussem, na Alemanha, poderão ter efeitos "extremamente prejudiciais sobre a saúde da população do Grão-Ducado, levando a doenças respiratórias e, em alguns casos, até mesmo à morte", revelaram a Greenpeace e Climate Action Network noutro recente relatório.

A contaminação atmosférica pode ter causado cerca de 8,8 milhões de mortes em todo o mundo em 2015, quase o dobro do que se calculava até agora, revelou um outro estudo publicado pelo European Heart Journal, em março passado.

O "Relatório Mundial da Qualidade do Ar 2018" pode ser consultado aqui: