Escolha as suas informações

Luxemburgo é o primeiro a adotar novos testes que ditam o fim do confinamento
Luxemburgo 3 min. 07.04.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo é o primeiro a adotar novos testes que ditam o fim do confinamento

Luxemburgo é o primeiro a adotar novos testes que ditam o fim do confinamento

Luxemburgo 3 min. 07.04.2020 Do nosso arquivo online

Luxemburgo é o primeiro a adotar novos testes que ditam o fim do confinamento

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Em breve, começam a ser testados os novos testes sanguíneos entre a população, que são tidos como a chave para abrir a porta do isolamento em casa.

O Luxemburgo será um dos primeiros países do mundo a realizar testes sanguíneos entre a população para determinar a imunidade face à doença do covid-19. Estas análises serão determinantes para a saída do confinamento, o que não será possível para já, como alerta o governo.

 Contudo, em breve, os novos testes sanguíneos irão ser testados numa amostra da população do Grão-Ducado como já anunciou a ministra da Saúde Paulette Lenert. Se demonstrarem ser bastante eficazes vão ser utilizados, em grande escala, para saber quem pode regressar ao trabalho e sair do confinamento.


Luxemburgo testa nova análise ao coronavírus que 'substitui' a vacina
Enquanto não se consegue colocar no mercado um método que previna a doença, estes testes de sangue são tidos como a "melhor arma" contra a covid-19.

 Saber quem está imunizado

Os testes sanguíneos ou sorológicos que o governo irá adotar já foram escolhidos. “Existem vários testes sorológicos no mercado. O LIH e o LNS, com os quais trabalhamos, testaram o teste, isso é da sua competência. Ao nível político, a nossa função é a de adotar um modelo específico, e escolhemos um modelo alemão”, declara hoje a ministra da Saúde numa entrevista publicada no Paperjam Luxembourg.

Depois da escolha passa-se à fase da testagem destas análises. Nas próximas semanas, a eficácia destes testes irá ser testada numa amostra da população do país “para termos uma ideia do grau de presença do vírus na população”, explica Paullet Lenert a esta revista online. 


"Nestes 15 dias vamos saber se serão precisas medidas mais drásticas no Luxemburgo"
O epidemiologista Jöel Mossong,do LNS do Luxemburgo explica, em entrevista exclusiva ao Contacto, as previsões sobre a pandemia no país, porque o governo poderá ter de adotar normas mais rígidas, os novos testes médicos e quando poderemos sair do confinamento.

Se provarem que merecem a confiança das autoridades da saúde, estes estes sorológicos que revelam se a pessoa ganhou anticorpos ao covid-19, o governo irá depois começar a usá-los em massa. Eles são fundamentais para perceber qual a percentagem da população que teve contacto com o vírus e foi infetada, mesmo sem o saber, e que ganhou por isso, anticorpos à covid-19.

Regresso ao trabalho

Se desenvolveu estes anticorpos “está imune ao novo coronavírus e se já não contagia outras pessoas, e isso é muito importante”, como explicou Jöel Mossong, chefe de departamento de epidemiologia do Laboratório Nacional de Saúde do Luxemburgo (LNS) na entrevista exclusiva que deu ao Contacto.

Mas primeiro há que testá-los numa amostra da população. “Tem de ser testados porque se trata de testes novos e cuja sua eficácia tem de estar comprovada. O objetivo depois é testar as pessoas antes destas regressarem ao trabalho, à vida ativa para garantir que não há risco de contágio do vírus. A ideia é serem utilizados em grande escala entre a população”, confirmou também Jöel Mossong ao Contacto. O epidemiologista estima que haverá testes disponíveis “dentro de semanas”. contudo, "há que ter paciência" pois ainda não é para já que a população pode sair do confinamento e começar a ter alguma liberdade, como frisou este epidemiologista.


Covid-19. Câmara dos Ofícios quer estratégia do governo para saída da crise
Programa de estabilização apresentado pelo executivo começa a ser insuficiente, considera organismo.

Mundo inteiro à espera dos testes

"Estamos todos à espera destes testes sorológicos, no mundo inteiro", declarou também o ministro francês da Saúde, Olivier Véran, citado pela revista Paris Match.

"Toda a investigação mundial está centrada nestes novos testes, a fim de "industrializá-los o mais rapidamente possível", acrescentou, julgando que poderia levar "de alguns dias a um máximo de algumas semanas".

Luxemburgo, Alemanha e França são três dos países europeus que querem começar a aplicar esta medida o mais rápido possível, como meio  para preparar a saída do confinamento. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas