Escolha as suas informações

Luxemburgo com oito casos de varíola dos macacos
Luxemburgo 2 min. 07.07.2022 Do nosso arquivo online
Surto

Luxemburgo com oito casos de varíola dos macacos

Surto

Luxemburgo com oito casos de varíola dos macacos

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 2 min. 07.07.2022 Do nosso arquivo online
Surto

Luxemburgo com oito casos de varíola dos macacos

Thomas BERTHOL
Thomas BERTHOL
A Europa continua de longe a região mais afetada pelo surto.

O Ministério da Saúde confirmou esta quarta-feira cinco novos casos de varíola dos macacos no Luxemburgo, o que faz um total de oito até à data. 

Desde o início da epidemia de varíola na Europa, o Laboratório Nacional de Saúde (LNS) diz que recebe pedidos de análise todos os dias, mas os resultados são na sua maioria negativos. 

O Ministério da Saúde confirmou ao final da tarde desta quarta-feira que oito casos de varíola dos macacos tinham sido confirmados no país, mais cinco do que os registados pelo Ministério de Paulette Lenert a 24 de junho. 

A Saúda indica ainda que vai fazer um balanço semanal sobre o assunto todas as sextas-feiras. Na quarta-feira de manhã, François Hussenet do LNS afirmou que laboratório tinha até agora identificado "cinco casos estabelecidos de varíola macaco e outro caso ainda em estudo que parece ser negativo". 

No entanto, o biólogo admite que outros casos poderão ter sido detetados noutros laboratórios privados no Grão-Ducado, que enviam os seus resultados para a sua sede no estrangeiro. 

Vic Arendt, especialista em doenças infecciosas do Centre Hospitalier de Luxembourg (CHL), apelou recentemente à sensibilização dos homens homossexuais afetados pela doença, sem os "estigmatizar". O médico recorda que em 95% dos casos, a doença tem sido transmitida até agora na Europa durante as relações sexuais entre homens. 


Varíola dos macacos. Quais são os sintomas
O que é, como se transmite e quais são os sintomas.

Três semanas de isolamento 

Os sintomas de varíola dos macacos incluem febre, dor de garganta e borbulhas no corpo. "As pessoas infetadas devem ser mantidas em isolamento durante três semanas", diz o médico. O especialista explica que o tratamento específico não é normalmente necessário. 

Vic Arendt salientou também que as vacinas ainda não tinham sido recebidas, embora o Governo tenha anunciado recentemente a encomenda de 2.500 doses. Estas quantidades poderiam ser administradas a 1.200 pessoas, uma vez que são necessárias duas doses por pessoa, segundo o médico. 

No mundo, a OMS conta agora 5.322 casos confirmados de varíola dos macacos, um aumento de mais de 50% em relação ao relatório anterior de 22 de junho. Há uma morte contabilizada até à data, anunciou na terça-feira um porta-voz da organização. 

A agência de saúde mundial afirmou na semana passada que o atual surto, embora muito preocupante, não constitui "uma emergência de saúde pública de preocupação internacional", o nível de alerta mais elevado da organização.

A Europa continua de longe a região mais afetada, com 85% dos casos e 53 países afetados. 

(Artigo publicado originalmente na edição francesa do Luxemburger Wort.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas