Escolha as suas informações

Luxemburgo com a menor quota de utilização de energias renováveis na UE
Luxemburgo 3 min. 18.12.2017 Do nosso arquivo online
Agência Europeia do Ambiente

Luxemburgo com a menor quota de utilização de energias renováveis na UE

Agência Europeia do Ambiente

Luxemburgo com a menor quota de utilização de energias renováveis na UE

Photo: Shutterstock
Luxemburgo 3 min. 18.12.2017 Do nosso arquivo online
Agência Europeia do Ambiente

Luxemburgo com a menor quota de utilização de energias renováveis na UE

O Luxemburgo foi em 2016 o país da UE com menor quota de energias renováveis no consumo energético, revela hoje um estudo.

O Luxemburgo foi em 2016 o país da UE com menor quota de energias renováveis no consumo energético, revela hoje um estudo.

Elaborado pela Agência Europeia do Ambiente, o relatório de 2017 sobre a utilização de energias renováveis na Europa destaca pela negativa o Luxemburgo, Holanda, Malta e Reino Unido, que ocupam os últimos lugares, com quotas abaixo dos 9%.

Pela positiva, Suécia, Finlândia, Letónia, Áustria e Dinamarca são os países com níveis mais elevados de utilização de fontes renováveis, apresentando valores acima dos 30%.

O documento, hoje divulgado, “confirma que a União Europeia [UE] e a maioria dos Estados continuam em linha com os respetivos objetivos [de utilização de fontes de energia renováveis], embora o ritmo de progresso europeu tenha abrandado nos últimos dois anos”.

“O relatório confirma que a UE continua no caminho certo para atingir a meta de 20% de utilização de fontes de energia renováveis em 2020, apesar de o ritmo de crescimento destas fontes energéticas ter abrandado recentemente”, lê-se no sumário executivo.

Segundo o documento, o crescente peso das renováveis desde 2005 “resultou numa diminuição de cerca de um décimo do consumo europeu de combustíveis fósseis e das emissões associadas de gases de efeito de estufa”, face a um cenário em que as fontes renováveis se mantivessem nos níveis de 2005.

Segundo os dados agora avançados pela EEA, a quota das renováveis no consumo final de energia na UE aumentou de 16,1% em 2014 para 16,7% em 2015, estimando-se que se tenha fixado nos 16,9% em 2016.

“Entre 2005 e 2014, a quota de fontes renováveis de energia aumentou, em média, 6,7% ao ano. Contudo, esta taxa de crescimento abrandou ligeiramente para 6,4% em 2015 e para 5,9% em 2016”, refere.

Foto: Shutterstock

De acordo com as estimativas da agência europeia, as renováveis foram responsáveis por 86% do total da nova capacidade de geração de energia instalada em 2016, assumindo-se hoje a UE como “um líder global em termos de capacidade energética renovável ‘per capita’, tendo na última década ultrapassado o resto do mundo na transformação do seu sistema energético”.

Segundo o relatório, o carvão foi o combustível mais substituído por fontes energéticas renováveis na Europa, sendo responsável por cerca de metade dos combustíveis fósseis e emissões de efeito de estufa evitados. O gás natural foi o segundo combustível mais substituído por renováveis, respondendo por cerca de 30% dos combustíveis fósseis substituídos.

O documento nota ainda que a transição para as fontes renováveis permitiu melhorar a eficiência do sistema de transformação de energia na UE, o que se traduziu numa redução de 2% do consumo primário de energia.

O setor do aquecimento/refrigeração continuou a ser o que mais recorreu a fontes renováveis, seguido da geração de eletricidade. Já no setor europeu dos transportes, as energias renováveis representaram apenas 7% da energia total utilizada em 2015 e 2016, sendo que maior quota de renováveis neste setor pertence aos biocombustíveis.

Do relatório resulta ainda que a quota de empregos ‘per capita’ no setor das energias renováveis na UE foi a quarta maior do mundo em 2016, depois do Brasil, Japão e EUA, com as indústrias do segmento eólico, solar e de biomassa a destacarem-se como os maiores empregadores.

A EEA nota, contudo, que nos últimos cinco anos se assistiu à perda de empregos na indústria solar e eólica, devido à crescente competitividade de outros produtores como a China.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A UE paga 100 mil milhões de euros por ano à Rússia em combustíveis fósseis, mas o plano apresentado pela Comissão é para poupar, comprar a outros fornecedores e mudar para as renováveis mais depressa do que previsto. Por causa de Putin, dizem, em 2030, 45% da energia será verde.
O Grão-Ducado quer atingir os 11% de energia renovável até final de 2020. Pactos com os países bálticos, fomento da produção nacional e um novo imposto sobre o CO2 são algumas das medidas para lá chegar.