Escolha as suas informações

Luxemburgo assina declaração de luta contra a concorrência desleal no trabalho
Luxemburgo 03.03.2017 Do nosso arquivo online

Luxemburgo assina declaração de luta contra a concorrência desleal no trabalho

Luxemburgo assina declaração de luta contra a concorrência desleal no trabalho

Foto: Arquivo LW
Luxemburgo 03.03.2017 Do nosso arquivo online

Luxemburgo assina declaração de luta contra a concorrência desleal no trabalho

O Luxemburgo e Portugal fazem parte de uma lista de 11 países da UE que acordaram esta quinta-feira, em Paris, lutar contra a concorrência desleal no trabalho.

O Luxemburgo e Portugal fazem parte de uma lista de 11 países da UE que acordaram lutar contra a concorrência desleal no trabalho.

O ministro do Trabalho Nicolas Schmit e mais dez ministros do trabalho da União Europeia (UE) assinaram esta quinta-feira, em Paris, uma declaração conjunta que visa combater o "dumping social" na UE.

Em causa está a diferença salarial entre trabalhadores locais e estrangeiros. No Luxemburgo, como em boa parte da UE, os trabalhadores emigrantes destacados acabam por ser explorados com preços muito mais baixos do que os locais.

"Qualquer exploração de trabalhadores prejudica os nossos modelos sociais e corrói a confiança na Europa. Temos de garantir um tratamento e uma remuneração para todos os trabalhadores", assinalaram os onze países.

Além de Portugal e Luxemburgo, assinaram o documento Malta, Suécia, Áustria, Alemanha, Itália, República Checa, Holanda e Eslováquia.

Os países signatários acordaram também estabelecer "progressivamente" salários mínimos "decentes" na UE para combater a "pobreza" e melhorar a "coordenação dos sistemas de segurança social", de modo a que os trabalhadores possam manter a sua cobertura social e contribuições, mesmo que mudem de país.


Notícias relacionadas

Salários em Portugal mais baixos do que há 10 anos
A Confederação Europeia de Sindicatos (CES) advertiu hoje que os pacotes salariais dos trabalhadores de seis Estados-membros, entre os quais Portugal, são em média mais baixos do que há 10 anos, pelo que para eles “a crise não acabou”.
9% dos trabalhadores têm contrato a termo no Luxemburgo
No Luxemburgo, 9% dos trabalhadores entre os 15 e os 64 anos tinham um contrato a termo certo no ano passado. Esta é a décima taxa mais baixa entre os países da União Europeia (UE) e fica muito abaixo da média, que é de 14,3%.