Escolha as suas informações

Luxemburgo. 81% da energia das casas é gasta em aquecimento
Luxemburgo 2 min. 21.06.2022
Energia

Luxemburgo. 81% da energia das casas é gasta em aquecimento

Energia

Luxemburgo. 81% da energia das casas é gasta em aquecimento

Foto: Ri/Pixabay
Luxemburgo 2 min. 21.06.2022
Energia

Luxemburgo. 81% da energia das casas é gasta em aquecimento

Simon MARTIN
Simon MARTIN
Os 81% de consumo de energia dedicados ao aquecimento constituem a mais alta taxa da Europa, bem acima da média de 62,8%. Pelo contrário, o Grão-Ducado consome muito pouca energia para a iluminação de divisões e aquecimento de água.

É um facto que o Luxemburgo é particularmente dependente do gás natural. É, juntamente com Malta e a Bélgica, o maior importador de energia da Europa. Embora não haja importações diretas da Rússia para o Grão-Ducado, uma vez que a maior parte do gás consumido no país é importado da Bélgica, estima-se que a quota de gás natural no Luxemburgo que provém da Rússia é de 13,8%. É uma pequena parte que tenderá a diminuir num futuro próximo, uma vez que a Europa quer libertar-se do consumo de gás russo o mais rapidamente possível em resposta ao conflito ucraniano. 


Luxemburgo entre os países mais dependentes de energia importada
A Estónia é o país da União Europeia (UE) menos dependente da importação de energia e Malta, Chipre e Luxemburgo lideram, enquanto Portugal está em 11.º lugar, segundo dados compilados pela Pordata, reportados a 2020.

De uma maneira geral, o Luxemburgo depende de mais de 50% do gás natural para satisfazer as suas necessidades na área residencial. Por seu turno, a União Europeia (UE) quer repensar a forma como utilizamos os combustíveis. Com isto em mente, o Eurostat estudou a forma como cada país utiliza esta energia e, especificamente, a forma como os agregados familiares a consomem. Em 2020, as famílias representavam 27% do consumo total de energia na UE.

Apenas 0,5% é usado em ar condicionado

O Luxemburgo é diferente dos seus vizinhos europeus em muitos aspetos. Em primeiro lugar, 81% do consumo de energia dos lares luxemburgueses é dedicado ao aquecimento. Esta é a taxa mais alta da Europa e muito acima da média europeia de 62,8%. 

As proporções mais baixas de energia utilizada para aquecimento de espaços são inevitavelmente observadas nos países mais "quentes" como Malta (19,4%), Portugal (30,5%) ou Chipre (37,2%).


Energia. Pode a UE ser realmente independente?
Dada a sua dimensão, o Luxemburgo é, juntamente com Malta e a Bélgica, o maior importador de energia da Europa. O que pensam estes Eurodeputados sobre a independência da UE neste sector?

Se o aquecimento das divisões é responsável pela maior parte do consumo energético nas casas do Grão-Ducado, o aquecimento de água é responsável por outros 7,5%. Esta é, em contraste, a taxa mais baixa registada em toda a Europa. Além disso, apenas 0,5% do consumo de energia é utilizado para arrefecimento, ou seja, a utilização de ar condicionado. 

Finalmente, o Grão-Ducado está também muito abaixo das médias europeias de energia consumida para cozinhar (3,3% da energia total consumida), bem como para iluminar divisões e alimentar aparelhos elétricos (7,8%).

(Este artigo foi originalmente publicado na edição francesa do Luxemburger Wort.)

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Grão-Ducado quer atingir os 11% de energia renovável até final de 2020. Pactos com os países bálticos, fomento da produção nacional e um novo imposto sobre o CO2 são algumas das medidas para lá chegar.