Escolha as suas informações

Luxemburgo. 79% das famílias sofrem com encargos da habitação
Luxemburgo 3 min. 15.10.2021
Novo estudo

Luxemburgo. 79% das famílias sofrem com encargos da habitação

Novo estudo

Luxemburgo. 79% das famílias sofrem com encargos da habitação

Photo : shutterstock
Luxemburgo 3 min. 15.10.2021
Novo estudo

Luxemburgo. 79% das famílias sofrem com encargos da habitação

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Um estudo do Statec revela que os residentes procuram desesperadamente habitações acessíveis. A pandemia não afetou os rendimentos das famílias, mas os desempregados de longa duração são mais 36% do que em 2019.

Um terço das famílias no Luxemburgo preocupa-se com a despesa mensal da habitação, e este universo sobre para dois terços quando se trata de famílias monoparentais com várias crianças, indica o relatório anual sobre “Trabalho e Coesão Social”, do Instituto de Estatísticas do Luxemburgo (Statec) hoje divulgado. De acordo com o estudo, os residentes com menos rendimentos são os que mais dificuldades têm em pagar a mensalidade das suas casas, isto devido aos preços cada vez mais elevados da habitação, pois nem a pandemia travou os aumentos. "Os residentes procuram desesperadamente habitações acessíveis", escrevem os autores.

Segundo o estudo mesmo durante a covid-19, em 2020, o rendimento médio das famílias no Luxemburgo aumentou, foi de 5.885 euros, mais 2,1%, do que em 2019.  Foi “ligeiramente inferior ao aumento do salário mínimo social bruto que foi de 2,8%, em janeiro de 2020, dois meses antes da crise da covid-19. O relatório conclui que a “crise sanitária da covid-19 não afetou, portanto, o rendimento médio das famílias em 2020, quando comparado com 2019”. E justifica: "A distribuição dos agregados familiares, por rendimento disponível, mostra um elevado grau de semelhança na distribuição do rendimento entre as famílias, em 2019 e as de 2020, confirmando assim a ausência de um grande impacto negativo da crise sanitária sobre o rendimento das famílias”.


OGBL pede adaptação do subsídio de vida cara face ao aumento do preço da energia
Outro pedido é que seja instaurado um mecanismo de adaptação do subsídio de vida cara ao custo de vida.

Limiar risco de pobreza: 1942 euros/mês

Ao nível das desigualdades sociais, o documento aponta que houve uma diminuição no ano da crise da covid-19, que o nível médio de vida, a partir dos rendimentos, aumentou para 3236 euros, em 2020, e o limiar do risco de pobreza estabeleceu-se nos 1 942 euros por mês, por adulto. Quem tem menos rendimentos do que este valor, é pobre. A taxa de risco de pobreza é de 17,2%, em 2020, contra 17,4%, em 2019, e 17,5%, em 2018, indica o Statec.

Pobreza aumenta risco de hospitalização por covid

O relatório “Trabalho e Coesão Social” hoje divulgado aborda também a influência do agregado familiar e nível de rendimentos na incidência da covid-19. Os resultados provisórios de um estudo conjunto do Statec com o Liser concluíram que “quanto mais baixo o nível de vida do agregado familiar, maior a probabilidade de hospitalização com covid-19”, que “as famílias maiores na mesma casa são infetadas com mais frequência” e que “quem tem menos benefícios sociais tem probabilidades mais elevadas de infeção e hospitalização”.

Covid-19 aumentou desemprego de longa duração

Os efeitos da crise sanitária foram moderados no mercado de trabalho, em grande parte graças ao recurso massivo do desemprego parcial, frisa relatório. A taxa de desemprego no país é de 6,8%, mais baixa do que a média da União Europeia, que atinge os 7,1%.


Bettel. Limites para rendas e impostos mais duros para propriedades vazias
Xavier Bettel promete medidas pesadas contra a especulação imobiliária, mais habitação acessível e anuncia forma de captar terrenos vazios para construção mais barata. Será o anúncio de uma revolução no Luxemburgo?

O desemprego de longa duração no Luxemburgo, é contudo, preocupante. Em março de 2021, um em cada dois desempregados, é de longa duração, ou seja, está há mais de um ano à procura de trabalho, são 51% do total dos desempregados. É neste desemprego que a crise sanitária teve mais consequências: comparando com março de 2019, existem agora mais 36,2% de desempregados de longa duração, além de que, após a crise da covid-19 este desemprego “alargou-se a camadas da sociedade, nomeadamente em termos de idade e sexo, que antes eram pouco afetadas”, salienta o estudo do Statec.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os últimos indicadores revelam que, ao contrário do que se estimava, o número de portugueses no Luxemburgo continua a aumentar. A crise da pandemia reforçou a desigualdade no acesso à saúde.
Guillaume Osier, chefe da Unidade das Condições de Vida do Statec.
Um quarto das famílias tem dificuldades em terminar o mês em terreno positivo. Apesar da taxa de pobreza estar a disparar no país, os mais ricos chegam a ter um rendimento quase 21 vezes superior ao dos mais desfavorecidos. Famílias monoparentais, jovens e emigrantes ocupam a linha da frente das maiores dificuldades.
As famílias com rendimentos mais baixos gastam 42% do seu rendimento disponível com a casa. De acordo com um relatório do instituto de estatística luxemburguês (Statec) publicado hoje, para assinalar o dia internacional para a erradicação da pobreza, as famílias com rendimentos mais baixos ficam apenas com 58% do rendimento total, depois de terem pago a casa (seja renda ou prestação ao banco).
A taxa de risco de pobreza dos portugueses no Luxemburgo continua a ser superior à do resto da população. Com rendimentos mais baixos, “os agregados familiares portugueses estão entre os mais desfavorecidos”, aponta o Statec.