Escolha as suas informações

Luxemburgo. Multa de 300 euros por comer um biscoito no comboio
Luxemburgo 2 min. 25.01.2022
Pandemia

Luxemburgo. Multa de 300 euros por comer um biscoito no comboio

Pandemia

Luxemburgo. Multa de 300 euros por comer um biscoito no comboio

Luxemburgo 2 min. 25.01.2022
Pandemia

Luxemburgo. Multa de 300 euros por comer um biscoito no comboio

Redação
Redação
Esta foi a coima que uma trabalhadora transfronteiriça belga teve de pagar por ter tirado a máscara, durante uns instantes, para trincar o biscoito, no trajeto do SNCB entre o Luxemburgo e Marbehan, na Bélgica.

Marie (nome fictício) nem queria acreditar quando, na semana passada, os fiscais do Luxemburgo que faziam um controlo no comboio em que viajava para ir para casa na Bélgica, a multaram em 300 euros por ter tirado a máscara só para trincar um biscoito. 

Uma “injustiça” considera esta trabalhadora transfronteiriça belga que diariamente faz o mesmo percurso no comboio do SNCB entre Luxemburgo, onde trabalha, e Arlon, onde vive.

Marie conta ao Les Frontaliers que nesse dia, após o trabalho, apanhou o comboio, como é habitual, na Gare do Luxemburgo, às 17h20, e a carruagem em que viajava não estava cheia, seguiam uma pessoa em cada dois lugares. Como sempre tinha a sua máscara colocada.  Só que sentiu uma fraqueza e resolveu comer um biscoito para "não se sentir mal" durante o trajeto. Foi precisamente no momento em que retirou a máscara da orelha esquerda para o biscoito que os agentes de fiscalização luxemburgueses entraram na sua carruagem e resolveram multá-la, apesar das suas justificações.

A jovem realça que na Bélgica é permitido retirar a máscara, por breves momentos nos transportes públicos, mas desconhecia que no Luxemburgo tal era proibido.

“Fiz isso com mais à vontade porque estava num comboio belga, onde tem que se manter a máscara sempre, mas ela pode ser retirada, apenas o tempo suficiente para lanchar qualquer coisa ou matar a sede. Depois há que colocá-la de novo imediatamente”, lembra Marie ao Les Frontaliers.

Só que os agentes foram irredutíveis justificando que no Grão-Ducado, nos transportes públicos, o uso de máscara é obrigatório sempre.

“Não compreendo a lógica desta medida que proíbe comer em território luxemburguês, mas depois de atravessar a fronteira, esta proibição é levantada, enquanto se continua no mesmo comboio”, reclama esta transfronteiriça. O próprio fiscal do comboio, pertencente aos caminhos ferroviários belgas, o SNCB, ficou “surpreendido por encontrar no seu comboio fiscais luxemburgueses", precisou a jovem.


Luxemburgo. Mais 24 agentes de fiscalização em comboios e autocarros
O ministro da Mobilidade, François Bausch, aprovou o reforço de mais 20 agentes de fiscalização nos comboios dos

Multa "desproporcional"

 A aplicação da multa foi “injusta” e “desproporcional” vinca Marie salientando que se soubesse da proibição do lado luxemburguês, nunca tinha tirado a máscara.

 “Sempre respeitei as leis luxemburguesas e pago os meus impostos no Luxemburgo. Tenho as minhas vacinas em dia e respeito os gestos de barreira adotados. Acho completamente normal cumprir a lei. No entanto, acho que me multarem em 300 euros por um biscoito trincado num comboio belga que nem ia cheio, foi só para aplicar a lei, esquecendo o que se chama espírito da lei ”. De acordo com o Les frontaliers Marie vai apurar se fiscais do Luxemburgo podem multar um passageiro num comboio belga.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A partir de segunda-feira, a SNCF retoma várias ligações ao Grão-Ducado com 118 TER entre Metz e o Luxemburgo. Alguns são exclusivos aos trabalhadores da saúde.
Uma mulher foi esta manhã, cerca das 07:00, colhida por um comboio na gare de Clervaux, no norte do Luxemburgo, segundo os Caminhos de Ferro Luxemburgueses (CFL).
A estação de Clervaux.