Escolha as suas informações

Luxemburgo. 10% a 15% dos casos Omicron são reinfeções
Luxemburgo 2 min. 21.01.2022
Pandemia

Luxemburgo. 10% a 15% dos casos Omicron são reinfeções

Pandemia

Luxemburgo. 10% a 15% dos casos Omicron são reinfeções

Luxemburgo 2 min. 21.01.2022
Pandemia

Luxemburgo. 10% a 15% dos casos Omicron são reinfeções

Redação
Redação
A Omicron é “quase um novo vírus”, explicou o epidemiologista Jöel Mossong. Por isso, cresce o número de pessoas agora infetadas e que já tinham contraído a doença antes, com uma variante anterior.

Nunca no Luxemburgo se registaram tantos casos de pessoas reinfectadas como agora e a culpa é da variante Omicron. A revelação foi feita pelo epidemiologista Jöel Mossong ontem no espaço de perguntas e respostas no Facebook do Ministério da Saúde.

As infeções com esta nova variante continuam a bater recordes diários no país, devido ao maior poder de contágio que a Omicron possui.

Na quinta-feira à noite, a Direção da Saúde confirmava 3.064 novos casos, e a curva vai continuar a subir, pelo menos mais 1000 casos, avançaram este epidemiologista e Thomas Dentzer, virologista da Direção da Saúde, citados pela RTL.

Joel Mossong é epidemiologista do LNS.
Joel Mossong é epidemiologista do LNS.
Foto cedida por Jöel Mossong

O serviço de rastreamento de contatos, o Contact Tracing, deverá em breve ser confrontado com “4000 casos”, perspetivam estes especialistas.

De novo infetados pela covid-19

Entre as pessoas infetadas crescem os casos de reinfeções. Atualmente, “10% a 15% dos casos de pessoas infetadas com a Omicron já estiveram infetados antes, com outra variante, e isto é muito mais comum agora”, sublinhou o epidemiologista do Laboratório Nacional de Saúde do Luxemburgo (LNS).

A reinfeção acontece porque a Omicron “é quase um novo vírus”, capaz de contornar a “imunidade adquirida por uma antiga infeção ou pela vacina”, explica este cientista. Esta é a variante do SARS-CoV-2 que possui mais alterações do código genético do vírus original, cerca de meia centena, sendo que 30 destas mutações são na proteína Spike, a “chave” do vírus para entrar nas células e infetá-las.


Novo recorde. 3.064 novos casos diários de covid-19 no Luxemburgo
Não houve mortes a registar nas últimas 24 horas.

Proteção da vacina

Ao ter tantas alterações nesta “chave”, o organismo não reconhece a Omicron como um perigo de infeção da covid-19 e não atua. Por isso, há tantas reinfeções de pessoas. Também está provado que as vacinas atuais não protegem tão eficazmente contra esta variante, como para as anteriores.

Contudo, a vacina “mesmo que sejam apenas as duas doses” continua a “proteger as pessoas contra as formas graves da doença”, vinca Jöel Mossong. E a prova é que apesar do grande aumento de infeções, os internamentos por covid-19 são muito menores do que nas vagas anteriores.

A dose de reforço “booster” é necessária pois é a “praticamente a única solução para a proteção contra a Omicron”, especificamente, realçaram os dois especialistas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Propaga-se a um ritmo alucinante e só as duas doses da vacina não chegam para uma proteção eficaz. O que se sabe até agora sobre a nova estirpe da covid-19 que está a cancelar as festas natalícias pelo mundo.