Escolha as suas informações

Lição n°5: Escola Internacional deDifferdange recebe primeiros alunos
Luxemburgo 3 min. 07.09.2016

Lição n°5: Escola Internacional deDifferdange recebe primeiros alunos

Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem aulas de português no primário

Lição n°5: Escola Internacional deDifferdange recebe primeiros alunos

Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem aulas de português no primário
Foto: Claude Piscitelli
Luxemburgo 3 min. 07.09.2016

Lição n°5: Escola Internacional deDifferdange recebe primeiros alunos

A Escola Internacional de Differdange (EIDD) começa a funcionar na segunda-feira, dia 12 de Setembro. Os alunos das primeiras nove turmas chegam este mês e, gradualmente, virão os restantes 1.400 até 2018, ano em que a escola deverá estar definitivamente concluída. Para este primeiro ano lectivo foram contratados 18 professores.

A Escola Internacional de Differdange (EIDD) começa a funcionar na segunda-feira, dia 12 de Setembro.

Os alunos das primeiras nove turmas chegam este mês e, gradualmente, virão os restantes 1.400 até 2018, ano em que a escola deverá estar definitivamente concluída. Para este primeiro ano lectivo foram contratados 18 professores.

A nova estrutura lecciona desde a primária ao secundário e oferece a possibilidade de obter um “bacharelato europeu” reconhecido em toda a Europa. O estabelecimento é o primeiro no país de tipo “escola europeia” pública, que oferece estudos em Inglês e Francês ao longo do percurso escolar e a oportunidade de aprender outras línguas estrangeiras desde tenra idade, como o Português. A nova escola é única em comparação com as outras escolas públicas do país, proporcionando às crianças a possibilidade de frequentarem um estabelecimento onde as línguas estão muito presentes e onde as áreas podem ser escolhidas com base nas preferências de cada um.

Por exemplo, um aluno cuja língua materna seja o Francês pode fazer a primária em Francês e ter o Alemão como primeira língua estrangeira e o Inglês como segunda língua estrangeira. Se a criança tiver como língua materna o Luxemburguês, mas se os pais pretenderem que ela siga um currículo internacional, poderá ingressar na secção francesa na primária, e ter como primeira língua o Alemão e como segunda língua o Francês. Neste caso, os alunos de uma mesma secção linguística podem seguir determinadas disciplinas em conjunto, enquanto que para determinadas áreas recebem um curso adequado ao seu nível de conhecimento. A partir do secundário, os alunos podem escolher uma terceira língua, entre Francês, Alemão, Inglês e Português.

A comunidade portuguesa é a segunda comunidade linguística do país, mas para já não está prevista a criação de uma secção portuguesa
A comunidade portuguesa é a segunda comunidade linguística do país, mas para já não está prevista a criação de uma secção portuguesa
Foto: Lex Kleren

ESCOLA ARRANCA SEM AULAS DE PORTUGUÊS NA PRIMÁRIA

Os portugueses são a segunda nacionalidade mais representada na nova escola, com 25 alunos entre os 110 inscritos. Apesar disso, por falta de interesse na língua portuguesa, a escola arranca sem professor de português para as crianças do ensino primário, onde estão inscritos apenas quatro portugueses.

Em contrapartida, no secundário há 12 alunos que optaram pelo português como primeira língua opcional (L1), ensinada “como língua materna”. “São alunos que chegaram há pouco tempo ao Luxemburgo, que já fizeram uma parte dos estudos em Portugal, e que preferem continuar a ter português”, explica Gérard Zens, da EIDD. Cinco alunos no secundário escolheram também português como terceira língua de opção (L3), ensinada como língua estrangeira.

O novo estabelecimento de ensino foi anunciado como uma oportunidade para as crianças portuguesas com dificuldades no ensino público luxemburguês, onde a alfabetização se faz em alemão. Na Escola Internacional de Differdange, inspirada nas escolas europeias, os alunos podem optar entre duas secções linguísticas, uma francófona e outra anglófona.

Quem escolhe português como língua de opção no primário tem oito aulas de língua portuguesa por semana, num total de 45 aulas semanais. Contas feitas, ter português como primeira opção representa cerca de 20% do tempo total de estudo. As restantes aulas são dadas na língua da secção escolhida, francês ou inglês. Apesar disso, os alunos lusófonos inscritos no ensino primário preferiram ter “francês e inglês” como língua de opção.

A comunidade portuguesa é a segunda comunidade linguística do país, mas para para já, não está prevista a criação de uma secção Portuguesa. Claude Meisch, ministro da Educação luxemburguês, explicou numa anterior ocasião que foi por uma questão de lógica que se optou por criar as secções francesa e inglesa, reiterando que estas línguas representam “a linguagem primordial para o mundo do trabalho no nosso país, e o Português não é.”

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Ministro da Educação: "Há três anos que propomos às autoridades portuguesas que reorientem o português para o pré-escolar"
É a primeira vez que o ministro da Educação do Luxemburgo fala sobre o fim dos cursos integrados em Esch-sur-Alzette, e a mensagem é clara. O ministro quer que os cursos integrados no ensino primário sejam substituídos por intervenções apenas no pré-escolar. Uma proposta que se aplicaria a todo o país e que representaria o fim dos cursos integrados de língua e cultura portuguesa no ensino primário luxemburguês.
Entrevista: Descurar língua materna pode provocar patologias da fala em crianças portuguesas
Descurar a língua materna pode prejudicar o sucesso escolar, mas também originar patologias que obrigam as crianças portuguesas no Luxemburgo a frequentar terapeutas da fala. Metade dos portugueses que passam pelo consultório da ortofonista Ângela Ferreira sofrem de atrasos na linguagem: têm um vocabulário tão pobre que não conseguem nomear as frutas mais conhecidas ou contar o que fizeram durante o dia.