Escolha as suas informações

Legislativas: Carlos Gonçalves culpa Governo por fraca adesão ao voto presencial
Luxemburgo 11.09.2019

Legislativas: Carlos Gonçalves culpa Governo por fraca adesão ao voto presencial

Legislativas: Carlos Gonçalves culpa Governo por fraca adesão ao voto presencial

Foto: Arquivo LW
Luxemburgo 11.09.2019

Legislativas: Carlos Gonçalves culpa Governo por fraca adesão ao voto presencial

Manuela PEREIRA
Manuela PEREIRA
O deputado do PSD qualifica a situação de “grave” e de “ridícula”.

Os portugueses que vivem no estrangeiro podem votar presencialmente ou por correspondência nas eleições para a Assembleia da República, marcadas para o dia 6 de outubro.

A opção pelo voto presencial tinha, no entanto, de ser registada até 60 dias antes do escrutínio, ou seja, até 6 de agosto.

Essa preferência acabou por ter uma escassa adesão, de 0,15% (2.242) dos cerca de 1,5 milhões de eleitores da diáspora. No Luxemburgo, por exemplo, só três eleitores é que aderiram a essa modalidade.

No consulado de Paris houve apenas um eleitor a optar por essa via, disse hoje à Rádio Latina, o deputado do PSD e candidato pelo círculo eleitoral da Europa, Carlos Gonçalves.

Reagindo a estes dados da Administração Eleitoral portuguesa, Carlos Gonçalves culpou o Governo pela falta de informação sobre esta opção de voto, que foi de resto proposta pelo PSD.

Carlos Gonçalves qualifica a situação de “grave” e de “ridícula”, levantando até questões de violação de sigilo de voto no caso do consulado de Paris.

Os eleitores que não optaram pelo voto presencial exercem o seu direito de voto por correspondência, como acontecia até agora, mas com o porte a ser pago pelo Estado.

O deputado Carlos Gonçalves está esta quarta-feira no Luxemburgo para apresentar oficialmente uma das candidatas da lista que encabeça: a sindicalista Liliana Bento, que vive no Grão-Ducado.

A lista do PSD para o círculo da Europa fica completa com os candidatos Victor Gomes, residente na Bélgica, e Selma Martins, do Reino Unido.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

“Já não há razão para que as pessoas não participem nas eleições portuguesas"
Votar nas eleições portuguesas vai passar a ser mais simples, também para os portugueses no Luxemburgo. Com as novas mudanças, o recenseamento dos portugueses no estrangeiro vai ser automático, mas não obrigatório. O voto por correspondência vai passar a ser gratuito, mas há mais novidades. As mudanças vão aumentar o número de potenciais votantes, sem que os cidadãos tenham de se deslocar ao consulado.
Visite du secrétaire d’État portugais José Luís Carneiro au Luxembourg, le 30 Septembre 2018. Photo: Chris Karaba