Escolha as suas informações

LCGB exige dia extra de férias também para quem tem contrato coletivo
Luxemburgo 28.12.2018 Do nosso arquivo online

LCGB exige dia extra de férias também para quem tem contrato coletivo

LCGB exige dia extra de férias também para quem tem contrato coletivo

Shutterstock
Luxemburgo 28.12.2018 Do nosso arquivo online

LCGB exige dia extra de férias também para quem tem contrato coletivo

Manuela PEREIRA
Manuela PEREIRA
Os trabalhadores abrangidos por um contrato coletivo também devem ter direito ao dia extra de férias. Esta é a posição do presidente da central sindical LCGB.

A reação de Patrick Dury surge na sequência do anúncio do Governo de adicionar mais um dia de férias por ano, a partir de 2019.

Isto significa 26 dias de férias por ano para os trabalhadores do setor privado, ou seja, mais um [dia] do que atualmente. Contudo, ao que a Rádio Latina apurou há patrões que não tencionam conceder esse dia extra de férias aos seus empregados. Em causa, os trabalhadores abrangidos por um contrato coletivo, que já beneficiam de mais dias de férias do que os 25 contemplados no Código do Trabalho.

Tudo indica que os patrões que assinaram um contrato coletivo com a delegação de pessoal não serão obrigados a conceder um dia extra de férias aos seus trabalhadores se o contrato coletivo já incluir pelo menos 26 dias de férias por ano.

Ora, Patrick Dury defende que todos os trabalhadores devem usufruir desse dia suplementar de férias, independentemente da sua situação contratual.

O presidente da central sindical LCGB antevê negociações com o Governo e também entre delegações de pessoal e patrões – nas empresas onde vigoram contratos coletivos de trabalho –, com o objetivo de reivindicar que o dia extra de férias seja garantido para todos os trabalhadores do setor privado, a partir de 2019.


Notícias relacionadas

LCGB defende voto dos estrangeiros
O LCGB defende o direito de voto dos estrangeiros. No tradiconal discurso do 1 de Maio, o presidente do sindicato cristão defendeu o voto no “sim” no referendo de Junho.