Escolha as suas informações

Kartheiser. "Somos contra qualquer aumento de impostos"
Luxemburgo 3 min. 14.10.2020 Do nosso arquivo online

Kartheiser. "Somos contra qualquer aumento de impostos"

Kartheiser. "Somos contra qualquer aumento de impostos"

Luxemburgo 3 min. 14.10.2020 Do nosso arquivo online

Kartheiser. "Somos contra qualquer aumento de impostos"

Nuno RAMOS DE ALMEIDA
Nuno RAMOS DE ALMEIDA
O líder parlamentar do ADR, Fernand Kartheiser, resumiu para o Contacto as principais resoluções desta reunião magna do seu partido e sublinhou que este encontro mostrou que o partido está vivo e forte, mesmo no momento que se reforma o seu dirigente mais popular.

 É diferente fazer um congresso em tempos de pandemia?

Nós queríamos ter feito o congresso no mês de março. E já nessa altura as resoluções a discutir eram sobre a imigração, a habitação e o clima. Não o conseguimos fazer justamente por causa da pandemia. Realizamos agora em outubro o nosso congresso, dado que achamos que devíamos ter um congresso com presença física das pessoas. É uma reunião importante que nos permite tomar posição sobre posições chaves, e foi também uma ocasião para agradecer a Gast Gibéryen que marcou o nosso partido durante 30 anos. Foi algo de extraordinário que serviu para uma justa homenagem e ao mesmo tempo demonstra que continuamos a funcionar, mesmo apesar do nosso homem político mais importante ter decidido reformar-se.

Ontem houve uma manifestação por causa da falta de habitação. O ADR considera que há uma crise habitacional no Grão-Ducado?

Há uma crise profunda. É por isso que quisemos aprovar um documento que foi apresentado pelo Reading, em que há um conjunto de propostas concretas que vamos colocar no nosso programa eleitoral. São um conjunto de propostas que são a solução, sobretudo para as pessoas com rendimentos mais baixos. Há a ideia de haver uma garantia de capital de partida, e queremos reduzir o IVA para 3% que foi aumentado por este Governo. Cada vez que se aumentam os impostos isso repercute-se sobre as pessoas que alugam as casas ou as compram. Há uma boa dezena de propostas concretas nesse documento e vamos dá-las a conhecer.

O ADR não é favorável a um aumento de impostos sobre terrenos de construção devolutos, para forçar a que haja mais construção?

Nós somos contra qualquer aumento de impostos. No nosso ponto de vista, o Estado deve-se concentrar nas suas funções principais. Achamos que o Estado tem dinheiro a mais. Precisa é de gastá-lo melhor. E até Bettel e Gramegna disseram o mesmo: todo o aumento de impostos seria uma catástrofe para as empresas e aumentaria o preço para as pessoas comuns. Não queremos aumentos de impostos nem sobre os terrenos, nem sobre os combustíveis.


O ADR na despedida do seu líder histórico, Gast Gibéryen
Foi em clima de homenagem que decorreu, no passado domingo, o congresso do partido mais à direita do Parlamento luxemburguês.

Quais são as conclusões do congresso sobre a imigração?

Aprovamos um documento contras as políticas de Asselborn. Queremos defender o direito de asilo das pessoas que são perseguidas, mas somos contra esta imigração massiva por razões económicas que temos desde 2015. Exigimos que se retorne às leis que existiam antes e que são as dos Direito Internacional.

Consideram imigração excessiva é fora da União Europeia ou incluem também os países como Portugal nessa consideração?

Não. No quadro da União Europeia a legislação clara que garantem a liberdade de circulação das pessoas, que não não colocamos em causa. É um direito adquirido. O Luxemburgo é um país pequeno e aberto e tem necessidade de mão de obra estrangeira. Nós somos contra a imigração ilegal. Não temos nada opor aos imigrantes legais.

Sobre o clima quais são as conclusões do congresso?

Temos uma aproximação pragmática. Não colocamos em duvida as mudanças climáticas. Apenas fazemos notar que essas alterações no clima sempre existiram na história da humanidade. É preciso colocar isso em perspetiva. Há, de facto, uma aceleração desse aquecimento desde que há medições. Mas as soluções propostas pelos verdes, na aposta nas energias alternativas, não conseguem resolver as necessidades de energia do Luxemburgo: na melhor das hipóteses cobrem 10%. O que faz que hajam 90% que precisam de ser cobertas pela energia fóssil e pela atómica. O que queremos é uma aposta realista e recusamos a política do medo dos verdes. O que os verdes fazem é aterrorizar as pessoas para que sigam as escolhas políticas deles. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.