Escolha as suas informações

Juncker sai em defesa de Monica Semedo: "Ela não merece ser tratada assim"
Luxemburgo 2 min. 22.02.2021

Juncker sai em defesa de Monica Semedo: "Ela não merece ser tratada assim"

Mónica Semedo.

Juncker sai em defesa de Monica Semedo: "Ela não merece ser tratada assim"

Mónica Semedo.
Foto: SSE
Luxemburgo 2 min. 22.02.2021

Juncker sai em defesa de Monica Semedo: "Ela não merece ser tratada assim"

O antigo Presidente da Comissão Europeia diz que nem sequer sabe quais são as acusações que recaem sobre a eurodeputada que foi suspensa por quinze dias por assédio moral e psicológico. Pede que não se pise "alguém que já está na lama".

Apesar da suspensão de funções no Parlamento Europeu e da saída, pelo próprio pé, das fileiras do Partido Democrático, Monica Semedo continua na ordem do dia. Depois da luta interna que não chegou a ser - já que a eurodeputada abandonou o DP ainda antes da reunião de sábios convocada para avaliar a sua situação - a antiga estrela da RTL capturou um apoio de peso. 

Em entrevista ao L'Essentiel, Jean-Claude Juncker sai em defesa da "criança" que "cantou no 75º aniversário do sogro" e era "escandalosamente dotada para cantar": "não sei do que ela é acusada" diz o antigo Presidente da Comissão Europeia. 

Tal como a eurodeputada - agora independente - vincou na carta aberta que escreveu há cerca de uma semana, Juncker socorre-se do carácter sigiloso do processo. "Tanto quanto sei, o trabalho que lhe diz respeito no Parlamento Europeu permaneceu secreto, pelo que não posso comentar a substância das coisas", reage ao caso. "Mas gostaria ainda assim de recomendar que nós, como autoridade nacional, não devemos pisar alguém que já está lama", continua. 

Como quem não pretende voltar a pronunciar-se sobre o assunto, o luxemburguês acrescenta que "ela não merece ser tratada assim e não aprecio de todo as observações racistas que estão a ser feitas sobre ela". Diz que "é mau". 


Xavier Bettel, Corinne Cahen e Charles Goerens sabiam do caso Monica Semedo há mais de um ano
"Eu não sou vítima, fiz erros e assumo". É desta forma que a eurodeputada Monica Semedo iniciou a entrevista, esta segunda-feira à RTL.

Arcar com as consequências 

Apesar do dossier de cerca de mil páginas do "processo" de assédio moral e psicológico estar fechado a sete chaves, Monica Semedo nunca desmentiu os três assessores que se disseram vítimas de bullying e bateram inclusivamente com a porta há cerca de um ano. Desde o primeiro momento que a eurodeputada assumiu a responsabilidade

Assim que a sanção lhe foi decretada pelo Parlamento Europeu, Semedo disse logo que não pretendia sequer recorrer da decisão que não só a afastou por quinze dias como também lhe cortou as ajudas de custo para o desempenho do cargo. Repetiu os pedidos de desculpa não só na carta que endereçou ao Paperjam como na conversa que teve recentemente com o canal televisão que a catapultou para a carreira política. 

Tal como a Rádio Latina dava conta, na semana passada, na entrevista à RTL, Semedo bateu na mesma tecla, insistindo que "quando se erra, não se consegue sempre voltar atrás, podendo-se somente aprender com os erros cometidos". 


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Monica Semedo deixa o DP
A decisão surge após o caso de assédio moral a três membros da sua equipa no cargo de eurodeputada.