Escolha as suas informações

Quando o nosso futuro está em risco
Editorial Luxemburgo 2 min. 30.06.2021
Jovens

Quando o nosso futuro está em risco

Jovens

Quando o nosso futuro está em risco

Editorial Luxemburgo 2 min. 30.06.2021
Jovens

Quando o nosso futuro está em risco

Madalena QUEIRÓS
Madalena QUEIRÓS
São o futuro do país e estão a revelar sinais de que não estão bem. O número de casos de crianças e jovens a recorrer a psicólogos e psiquiatras está a disparar no Luxemburgo, Assim como estão a aumentar os pensamentos suicidas. Os serviços de atendimento não chegam para as necessidades e há listas de espera, que nalguns casos ultrapassam os três meses. Para aumentar a resposta, o Hospital de Kirchberg prepara-se para triplicar as a oferta criando uma nova oferta do hospital de dia com 20 lugares para jovens em risco. Uma resposta urgente que vai estar disponível já a partir de setembro.

São o futuro do país e estão a revelar sinais de que não estão bem. O número de casos de crianças e jovens a recorrer a psicólogos e psiquiatras está a disparar no Luxemburgo, assim como estão a aumentar os pensamentos suicidas. Os serviços de atendimento não chegam para as necessidades e há listas de espera, que nalguns casos ultrapassam os três meses. Para aumentar a resposta, o Hospital de Kirchberg prepara-se para triplicar as a oferta criando uma nova oferta do hospital de dia com 20 lugares para jovens em risco. Uma resposta urgente que vai estar disponível já a parir de setembro.


"Só no último fim-de semana recebemos oito jovens na urgência de psiquiatria"
O número de jovens com problemas psicológicos não para de crescer e está a gerar lista de espera de mais de três meses. Para responder ao aumento da procura, o Hospital de Kirchberg vai abrir um novo hospital de dia com 20 vagas revela o pedopsiquiatra, Gerhard Ristow em entrevista ao Contacto.

O diagnóstico feito pelo pedopsiquiatra, Gerhard Ristow é alarmante. Na entrevista que publicamos, esta semana, revela que a verdadeira dimensão dos efeitos da pandemia na saúde mental de jovens e crianças só será conhecida nos próximos dois a três anos. Os jovens foram as principais vítimas desta crise e ninguém os defendeu, denuncia. Aplaude a estratégia seguida pelo Luxemburgo de manter as escolas fechadas o mínimo tempo possível porque os estabelecimentos de ensino são ferramentas fundamentais para garantir a socialização dos mais novos. Positivo é, também, a notícia que revelamos que o Hospital de Kirchberg, face ao aumento desmesurado da procura, está a preparar-se para abrir uma nova estrutura do hospital de dia para receber jovens e adolescentes com problemas psicológicos. O sistema está a começar a funcionar o que pode representar uma esperança no futuro.

Outro sinal positivo é o fato do Luxemburgo ser o país da União Europeia, em que uma maior percentagem de jovens conclui o ensino superior, de acordo com os dados do Eurostat que publicamos esta semana.

Uma ordem de expulsão que acabou suspensa

Contamos nesta edição o caso da migrante brasileira que acabou por ver suspensa a ordem de expulsão pelos serviços de imigração do Luxemburgo. Era um caso de injustiça gritante. Vítima de maus-tratos resolveu denunciar o caso às autoridades. Em resposta recebeu ordem de expulsão. Mas à hora de fecho desta edição recebemos a boa notícia que esta ordem para sair do país tinha acabado de ser suspensa. Neste caso funcionou. Resta saber o que acontece a tantos outros que não têm este desfecho.


Custo da habitação no Luxemburgo expulsa residentes para os países vizinhos
O preço louco da habitação está a obrigar os luxemburgueses a ir viver para os países vizinhos, e os seus habitantes a deixar de poder morar também na sua terra, como Arlon. O efeito bola de neve da habitação no Grão-Ducado tem diversas direções: filhos adultos a viver mais tempo com os pais, desigualdades a aumentar e o país a deixar de ser atrativo para os emigrantes.

Dramática é a situação dos residentes no Luxemburgo, que por causa da subida disparatada dos preços da habitação, estão a ser “expulsos” para viver nas regiões fronteiriças da Bélgica, França e Alemanha. O problema é que este fenómeno está a provocar pressão na oferta e o aumento dos preços do alojamento, também nessas localidades. Uma realidade que revelamos na edição desta semana.

Não paramos de o repetir enquanto for um problema: é urgente garantir habitação a preços acessíveis a quem pretende trabalhar e viver no Luxemburgo. O cenário está a tornar-se pior cada dia que passa. E mesmo as alternativas, nos países próximos, estão a tornar-se incomportáveis.

A resposta das autoridades luxemburguesas que alegam que o problema pode ser resolvido nos próximos anos deixa sem solução, a curto prazo, um problema que é urgente. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Prometeram-nos que no verão a “imunidade do grupo” já deveria estar a funcionar em pleno na Europa. Mas as novas vagas de contágio, provocadas pela variante Delta estão a complicar esta equação. Nunca nos devemos esquecer que a vacinação massiva continuar a ser a única solução para esta pandemia.
Com o caos instalado nos hospitais portugueses, o Luxemburgo foi o primeiro país no palco internacional a oferecer ajuda a Portugal.
O estado de emergência de três meses foi decretado há nove dias, mas o número de infetados do país não para de crescer. O Luxemburgo chegou a ser apontado como o terceiro país do mundo com mais casos positivos de coronavírus, por cada milhão de habitantes. O primeiro-ministro, Xavier Bettel, explica a razão: “estamos a fazer mais testes que nos outros países, por isso, temos mais casos registados”.
O ar que se respira no Luxemburgo contém partículas finas libertadas por centrais termoelétricas alemãs, que podem ser nocivas à saúde da população. Mas as ameaças poderão vir também de centrais nucleares dos países vizinhos, que cercam o pequeno Grão-Ducado: algumas têm fissuras, outras têm problemas com peças.