Escolha as suas informações

Joana Vasconcelos e Kátia Guerreiro no programa de visita de imagem de Fátima ao Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 22.05.2017

Joana Vasconcelos e Kátia Guerreiro no programa de visita de imagem de Fátima ao Luxemburgo

A imagem à chegada ao aeroporto do Luxemburgo.

Joana Vasconcelos e Kátia Guerreiro no programa de visita de imagem de Fátima ao Luxemburgo

A imagem à chegada ao aeroporto do Luxemburgo.
Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 2 min. 22.05.2017

Joana Vasconcelos e Kátia Guerreiro no programa de visita de imagem de Fátima ao Luxemburgo

A imagem peregrina de Fátima chegou hoje ao Luxemburgo para um périplo de um mês, uma iniciativa acompanhada por um programa cultural que inclui a artista plástica Joana Vasconcelos e a fadista Kátia Guerreiro.

A imagem peregrina de Fátima chegou hoje ao Luxemburgo para um périplo de um mês, uma iniciativa acompanhada por um programa cultural que inclui a artista plástica Joana Vasconcelos e a fadista Kátia Guerreiro.

A vinda da imagem peregrina do santuário de Fátima - uma das 13 réplicas que viajam pelo mundo – assinala o centenário das "aparições" e a 50.a peregrinação de imigrantes portugueses ao santuário de Wiltz, em que este ano participa Marcelo Rebelo de Sousa, na quinta-feira. Integrada na iniciativa, a obra "Coração Independente", de Joana Vasconcelos, vai estar em exposição na catedral do Luxemburgo, uma mostra que vai ser inaugurada pelo Presidente da República em 23 de maio, durante a visita de Estado que efetua ao país.

A 24 de junho, na véspera do regresso da imagem a Portugal, a fadista Kátia Guerreiro dará um concerto na catedral do Luxemburgo.

Até 25 de junho, a imagem de Fátima vai percorrer o país, estando prevista a sua passagem pelas igrejas de três dezenas de localidades luxemburguesas.

A vinda da imagem peregrina de Fátima ao Grão-Ducado foi pedida pelo arcebispo do Luxemburgo, Jean-Claude Hollerich, para quem a iniciativa vai servir para "unir os católicos" no país, independentemente da sua nacionalidade. O arcebispo destacou a grande "presença dos portugueses [no Luxemburgo]", considerando que representam "um enriquecimento humano e cultural", e afirmando esperar que o programa cultural também contribua para valorizar a imagem de Portugal no país. "Muitas pessoas no Luxemburgo ignoram a história de Portugal e a grande cultura deste país. Gostava que os [imigrantes] portugueses pudessem orgulhar-se da sua cultura perante os luxemburgueses, porque é uma cultura maravilhosa, tal como a sua gastronomia", elogiou Hollerich, durante uma conferência de imprensa.

O arcebispo do Luxemburgo recordou que esta não é a primeira vez que a imagem peregrina de Fátima vem ao Grão-Ducado, após uma passagem pelo país em setembro de 1947, durante uma peregrinação pela Europa. Nessa altura, a imagem passou pelo local onde viria a ser construído o santuário de Fátima em Wiltz, em 1952, em cumprimento de uma promessa feita por luxemburgueses em 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.

Com a chegada dos primeiros portugueses ao país, em 1968 iniciou-se uma peregrinação ao santuário na Quinta-feira da Ascensão, feriado no Grão-Ducado, contando com o apoio da associação Amizade Portugal-Luxemburgo e da paróquia da localidade.

Este ano, a romaria, em que participam Marcelo Rebelo de Sousa e os Grão-duques, vai contar com a imagem peregrina de Fátima. A estátua, que chegou hoje ao Luxemburgo, é a número 13, a mais recente das imagens peregrinas do santuário de Fátima, tendo passado antes pela Sicília, em 2015, e pelo Canadá, em 2016.


Notícias relacionadas

Vídeo: Portugueses já vão a caminho de Fátima em Wiltz
Não é Fátima, em Portugal, mas também há peregrinos portugueses nas estradas luxemburguesas para chegar ao santuário de Fátima, em Wiltz. Um dia antes da romaria, já há muitos a caminho. Este ano a peregrinação vai contar com a visita de Marcelo Rebelo de Sousa, mas há imigrantes que fazem a rota a pé há duas décadas.
Maria Celeste Cavaleiro: «Le pèlerinage, c'est dur mais quand on arrive à l'église de Niederwiltz on est tellement soulagé d'un seul coup qu'on serait prêt à refaire la route immédiatement».