Escolha as suas informações

Inspecção do Trabalho do Luxemburgo investiga casos de exploração de portugueses
Luxemburgo 17.03.2015 Do nosso arquivo online

Inspecção do Trabalho do Luxemburgo investiga casos de exploração de portugueses

Inspecção do Trabalho do Luxemburgo investiga casos de exploração de portugueses

Foto: Serge Waldbillig
Luxemburgo 17.03.2015 Do nosso arquivo online

Inspecção do Trabalho do Luxemburgo investiga casos de exploração de portugueses

A Inspecção do Trabalho do Luxemburgo pediu informações ao sindicato luxemburguês LCGB sobre os casos de exploração de portugueses denunciados pela organização sindical, disse ao CONTACTO fonte daquele sindicato.

Em comunicado enviado hoje, a Inspecção do Trabalho do Luxemburgo (ITM, na sigla em francês) garantiu ainda que "procede a inquérito aprofundado" em caso de irregularidades e que transmite à Procuradoria as situações "em que são constatadas infracções penais".

A reacção da Inspecção do Trabalho surge na sequência da denúncia pelo sindicato LCGB de casos de exploração de portugueses recrutados por empresas de construção em Portugal para trabalhar no Luxemburgo, que o CONTACTO noticiou a 3 de Março.

Na altura, o dirigente sindical Paul de Araújo garantiu que há casos de portugueses a trabalhar sete dias por semana e com salários muito abaixo do mínimo luxemburguês, uma situação que viola a directiva europeia sobre o destacamento de trabalhadores.

Em alguns casos, os trabalhadores "são abandonados no Luxemburgo, porque os salários não são pagos, e as pessoas ficam sem dinheiro nem meios financeiros para ficar ou voltar", disse o sindicalista.

Na nota enviada hoje, a Inspecção do Trabalho sublinha que a exploração de trabalhadores em regime de destacamento não se limita "aos portugueses" nem é um fenómeno exclusivo do Luxemburgo, defendendo a colaboração com as congéneres europeias para evitar que empresas estrangeiras tentem "encontrar novas astúcias para evitarem conformar-se com o direito do trabalho em vigor".

P.T.A.


Notícias relacionadas

Comecemos pela vida de um dirigente sindical que ia morrendo a trabalhar. Passemos para os números excessivos de mortos no Luxemburgo por acidente de trabalho. Tentemos perceber as razões da persistência deste flagelo, e acabemos nas dificuldades da Inspeção do Trabalho.
Há portugueses recrutados por empresas de construção em Portugal para trabalhar no Luxemburgo que acabam a ser explorados. Recebem salários muito abaixo do mínimo luxemburguês e trabalham domingos e feriados. Sem conhecerem o país nem a língua, são poucos os que apresentam queixa, diz o 
sindicato LCGB.