Escolha as suas informações

“Inadmissível”. Horesca escandalizada com o Governo
Luxemburgo 2 min. 06.01.2021 Do nosso arquivo online

“Inadmissível”. Horesca escandalizada com o Governo

“Inadmissível”. Horesca escandalizada com o Governo

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 2 min. 06.01.2021 Do nosso arquivo online

“Inadmissível”. Horesca escandalizada com o Governo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O Luxemburgo vai reabrir todos os setores de atividade económica, a partir da segunda-feira, dia 11 de janeiro. Todos menos um: a Horesca. Pelo contrário, cafés, bares e restaurantes viram a sua situação agravada com o prolongamento do fecho obrigatório por mais 15 dias, até 31 de janeiro. A Federação Nacional dos proprietários de Hotéis, Restaurantes e Cafés do Luxemburgo (Horesca) está “escandalizada”.

Em causa está uma declaração da ministra da Saúde, Paulette Lenert, na conferência de imprensa desta terça-feira, durante a qual afirmou que “a horesca representa um perigo maior na propagação do novo coronavírus”. 

“Isto é inadmissível!”, exclama a Horesca num comunicado, pedindo explicações à ministra, já que “nunca foram revelados dados científicos” nesse sentido. Pelo contrário, “o primeiro-ministro, Xavier Bettel, tem martelado que as contaminações acontecem principalmente na esfera privada”. Daí a Horesca pedir à ministra da Saúde para divulgar os números sobre os quais se baseia.


É oficial. Comércio e escolas reabrem para a semana
O primeiro-ministro anunciou que as infeções estão a diminuir por isso vai ser adotado um alivio no confinamento. O recolher obrigatório passa para as 23h, como vigorava antes do fim de ano.

Os patrões de hotéis, restaurantes e cafés consideram que “o setor é penalizado e está a sofrer as consequências do comportamento de alguns concidadãos”. 

E, avançam como prova os números de infeções divulgados pelo Governo. “Há algumas semanas, havia, em média, 500 novos contágios diários. O que levou ao encerramento quase total das atividades económicas. Agora, esse número caiu para menos de 200 novas infeções”. 

Tendo em conta que cafés e restaurantes estão encerrados desde 26 de novembro do ano passado e que os restantes setores de atividade fecharam a 26 de dezembro, os responsáveis da Horesca qualificam a atual posição do Governo de “incompreensível”.

Consciente do perigo que este vírus representa e que a “saúde pública deve estar acima de tudo”, a Horesca descarta contudo “ser a causa do problema”.

Quanto à sobrevivência do setor, embora as ajudas financeiras do Estado sejam um bom contributo, a Horesca explica que só cobrem parcialmente as despesas que as empresas enfrentam. 

Daí reivindicar uma ajuda com caráter de urgência para todos os independentes, acrescentando que “muitos empreendedores estão a viver uma situação financeira muito difícil, não tendo mais meios de sobrevivência, uma vez que o setor vai totalizar mais de 125 dias de encerramento, desde o início da pandemia”.

Os representantes do setor pedem ainda ao Governo que as despesas das empresas sejam reembolsadas a 100% e que no caso do desemprego parcial, o reembolso aconteça no máximo cinco dias após a introdução do pedido. Atualmente, “há empresas que estão há mais de dois meses à espera de serem reembolsadas”.

A Horesca sublinha que a vontade do setor não é de viver de subvenções, mas do fruto do seu trabalho. O Governo anunciou esta terça-feira que os restaurantes, cafés e bares vão se manter encerrados até 31 de janeiro. Mas, os comércios não essenciais, cinemas e teatros vão poder reabrir já a partir da próxima segunda-feira.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas