Escolha as suas informações

Hospitais. Quem não tem CovidCheck não fica à porta. Há testes grátis
Luxemburgo 7 2 min. 22.09.2021
Covid-19

Hospitais. Quem não tem CovidCheck não fica à porta. Há testes grátis

Covid-19

Hospitais. Quem não tem CovidCheck não fica à porta. Há testes grátis

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 7 2 min. 22.09.2021
Covid-19

Hospitais. Quem não tem CovidCheck não fica à porta. Há testes grátis

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Atualmente, todos os utentes têm de apresentar o CovidCheck para aceder às consultas médicas e cuidados hospitalares. Mas, os hospitais continuam a atender todos os residentes.

Desde o passado dia 15 setembro que todos os utentes e visitantes dos hospitais do Luxemburgo, com mais de seis anos, têm de apresentar o certificado sanitário CovidCheck à entrada dos estabelecimentos. E quem não tem este certificado (seja porque não está vacinado, imunizado após uma infeção à covid tratada, ou não apresenta um teste negativo PCR), deixa de ter acesso às consultas, exames ou outros cuidados médicos nos hospitais? Não, os hospitais do país continuam a receber todos os utentes, mesmo sem CovidCheck.

Quem não possuir CovidCheck, ou não apresentar o resultado de um autoteste negativo certificado, válido por 48 horas, terá então de realizar um teste antigénico gratuito à entrada dos estabelecimentos hospitalares, disponibilizado pelos hospitais. Se o resultado for negativo à infeção pela covid a admissão do utente é aceite. O mesmo se passa com os visitantes de doentes internados.

Esta foi a informação dada ao Contacto pela assessoria dos Hôpitaux Robert Schuman (HRS): “Se a pessoa em questão não puder apresentar um certificado que prove a validade da 3G, oferecemos nos nossos hospitais uma possibilidade gratuita de fazer o teste e assim entrar (em conformidade com as condições que aparecem no nosso sítio web) nas nossas estruturas. Oferecemos um teste antigénio gratuito”. Aliás, desde o início de junho que os HRS adotaram esta medida.

O mesmo explicou a assessoria do Centre Hospitalier do Luxembourg (CHL). Quem não possuir CovidCheck terá de se submeter a “um teste rápido gratuito” e mediante o resultado negativo terá acesso aos cuidados médicos.

Em relação à clínica pediátrica KannerKlinik, o CHL informa que “os pais acompanhantes e crianças com mais de seis anos de idade que não cumpram os critérios 3G” devem passar primeiro “pelas áreas de teste localizadas no CHL Centre ou da Maternidade” para realizarem o teste rápido antes de aceder à KannerKlinik.

Medidas idênticas foram adotadas pelo Centre Hospitalier Emile Mayrisch (CHEM) no acesso aos seus hospitais por quem não possuir CovidCheck, segundo informação divulgada no seu site.

Medida aplaudida

A oferta de testes rápidos gratuitos à entrada dos hospitais para quem não tem CovidCheck é uma medida felicitada pelo Conselho Consultivo dos Direitos Humanos do Luxemburgo (CCDH), cujo parecer dado à nova lei covid foi muito crítico, sobretudo quanto à imposição de CovidCheck nos hospitais e sobre o fim da gratuidade dos testes PCR. 


Vai ser preciso Covid-Check para entrar nos hospitais
Também nos lares de idosos a medida vai ser introduzida a partir de 15 de setembro. Mesmo para uma consulta médica no hospital é preciso covid-check.

Para o CCDH o CovidCheck poderia afastar ainda mais as populações mais desfavorecidas dos cuidados de saúde, por não terem dinheiro para pagar os testes de rastreio. Gilbert Pregno, presidente do CCDH declarou ao Contacto que “em princípio, não há risco de discriminação se forem possíveis e gratuitos testes rápidos de antigénios no local. Neste caso, o Governo está a cumprir a sua obrigação de proteger as pessoas vulneráveis e a saúde pública”. Além de que, acrescentou, “tanto quanto sabemos, isto funciona bem e os hospitais têm-se organizado bem”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A falta de clareza do Governo sobre a realização obrigatória dos testes rápidos anti-covid para entrar no interior dos restaurantes está a gerar o caos em véspera da abertura das salas, a 16 de maio. E quando acabarem os testes oferecidos ao setor, quem os vai pagar?, questionam ao Contacto proprietários e políticos.