Escolha as suas informações

Horesca exige cafés e restaurantes abertos até à 1h da madrugada
Luxemburgo 05.10.2020

Horesca exige cafés e restaurantes abertos até à 1h da madrugada

Horesca exige cafés e restaurantes abertos até à 1h da madrugada

Foto: Brumat Michel
Luxemburgo 05.10.2020

Horesca exige cafés e restaurantes abertos até à 1h da madrugada

Diana ALVES
Diana ALVES
É uma reivindicação da Horesca. A federação exigiu esta segunda-feira ao Governo que cafés e restaurantes possam permanecer abertos até à 1h da madrugada.

Num comunicado enviado esta segunda-feira às redações, a federação que representa o ramo da hotelaria e da restauração explica que 2a descida das temperaturas praticamente já não permite servir os clientes nas esplanadas", acrescentando que, "para garantir um serviço no interior do estabelecimento com o máximo de segurança", a Horesca considera que o "horário de fecho deve ser adiado da meia-noite para a 1h". 

A federação entende que esta hora suplementar permitiria atender os clientes de forma mais espaçada e até a eventual criação de duas faixas horárias para as reservas. A Horesca diz ainda que, ao ficarem mais tempo no estabelecimento, os clientes seriam "menos incitados a terminar a festa em casa, onde as regras do distanciamento físico são mais difíceis de respeitar".

Já a pensar na passagem de ano, o setor lembra o Governo que a abertura até à 1h dá também aos estabelecimentos a oportunidade de começarem já a organizar as festas do novo ano, o que para muitos restaurantes afetados pela crise atual poderia ser uma "lufada de ar fresco indispensável".


Nova lei covid. Se estiver a beber de pé num café ou bar pode ser multado
Novas medidas sanitárias foram hoje aprovadas pelos deputados para conter a propagação da epidemia. A nova lei deverá entrar em vigor no sábado. Saiba quais são as novas restrições no Luxemburgo.

"Apesar de compreender que a prioridade por agora é a saúde, a Horesca considera no entanto que estender o horário de abertura por mais uma hora seria o mais "sensato". Tendo em conta os números relativamente estáveis no país e os locais de contaminação, bem como "tendo em conta que temos que viver com o vírus", acrescenta.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas