Escolha as suas informações

Hitler, Mickey ou SpongeBob teriam certificado validado pelo CovidCheck
Luxemburgo 17.11.2021
Covid-19

Hitler, Mickey ou SpongeBob teriam certificado validado pelo CovidCheck

Covid-19

Hitler, Mickey ou SpongeBob teriam certificado validado pelo CovidCheck

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 17.11.2021
Covid-19

Hitler, Mickey ou SpongeBob teriam certificado validado pelo CovidCheck

Ana Patrícia CARDOSO
Ana Patrícia CARDOSO
Desde que o certificado de vacinação digital entrou em vigor, os casos de fraude insólitos têm vindo a público. Deputada do CSV deixa o aviso: a aplicação móvel do Luxemburgo não consegue detetar todas as fraudes.

O CovidCheck tornou-se essencial para circular e frequentar certos espaços no Luxemburgo e, embora a sua aplicação tenha gerado várias críticas, nomeadamente nos locais de trabalho, o controlo sanitário digital parece ter vindo para ficar. No entanto, há quem tente esquivar-se à lei e os casos de fraude estão a surgir com maior frequência. E com contornos mais bizarros.

Ainda que as autoridades de Saúde garantam estar em cima do assunto, a aplicação parece apresentar falhas na identificação de certificados, dando o ok para certificados com nomes de personagens fictícios. O aviso foi feito por Martine Hansen, deputada CSV, no Parlamento na terça-feira. 

A deputada usou exemplos bizarros para chamar atenção sobre as falhas da aplicação do Luxemburgo que lhes daria "luz verde", ao contrário dos aplicativos de Itália ou Alemanha onde já seriam identificados como falsos. 

Citada pela RTL, Hansen falou com casos insólitos que vieram a público em outubro passado. sobretudo na imprensa alemã. Segundo o Frankfurter Allgemeine, Adolf Hitler foi vacinado com BioNTech, recebeu a segunda dose a 1 de outubro e tem um certificado de vacinação validado pelo Governo francês - que seria aceite no Luxemburgo, uma vez que os certificados são válidos em toda a União Europeia. Foram identificados ainda QR codes com nomes das personagens de animação Rato Mickey e SpongeBob.


Polícia detetou certificados falsos e oito infrações ao CovidCheck
Controlos realizaram-se durante a semana de 8 a 14 de novembro.

Na resposta à deputada Lenert não referiu se as autoridades estão a trabalhar em atualizações ao sistema CovidCheck para identificar mais casos de fraude. Já na semana passada, a polícia confirmou a existência de certificados fraudulentos no Luxemburgo. Na altura, a ministra da Saúde, Paulette Lenert, assegurou que os casos foram reencaminhados para o Ministério Público e que poderão estar ligados a redes de falsificação profissionais.

As fraudes com o certificado CovidCheck podem ser puníveis com multas de 251 euros até 3.000 euros e/ou oito dias a três meses de prisão.   

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas