Escolha as suas informações

Hesperange quer uma estrada alternativa para reduzir o trânsito
Luxemburgo 3 min. 13.06.2019

Hesperange quer uma estrada alternativa para reduzir o trânsito

Hesperange quer uma estrada alternativa para reduzir o trânsito

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 3 min. 13.06.2019

Hesperange quer uma estrada alternativa para reduzir o trânsito

Marc AUXENFANTS
Marc AUXENFANTS
Há mais de 15 anos que a população de Hesperange exige uma solução para o aumento constante do tráfego na cidade. No início do mês, foi criado no Facebook um grupo para fazer frente à mesma luta, que já tem mais de mil membros.

No dia 3 de junho, os residentes de Hesperange criaram um grupo no Facebook para pedir ao governo a aprovação de um projeto para construir um desvio, de forma a reduzir o tráfego rodoviário emergente no município. Onze dias depois, o grupo já tem mais de mil membros.

"Queremos mostrar ao governo que esta questão é importante para um grande número de residentes e fronteiriços. Juntos podemos fazer a diferença", lê-se na página da rede social. "A ideia é aproximar as pessoas e informar o governo que estamos preocupados com a situação", disse Fabienne Even, a fundadora do grupo, à RTL, esta quarta-feira. "Se não houver uma reação do governo, o próximo passo vai ser uma petição pública".


Luxemburgo vai investir em peso para reduzir o excesso de tráfego
Expandir o percurso do elétrico e diminuir o trânsito durante as horas de ponta são as prioridades do governo.

Entre 11 a 17 mil veículos atravessam todos os dias a cidade a sudoeste da capital. Este número aumenta de ano para ano, com a chegada de novos residentes e o desenvolvimento de atividades económicas na cidade e arredores, como é o caso da modernização do bairro de Gasperich (com o novo centro comercial Cloche d'Or), da reabilitação de Howald ou da construção do parque empresarial de Contern.

"O trânsito é o nosso maior problema, para a qualidade de vida das pessoas. (...) Na hora de ponta, se conseguirmos ir de Alzingen a Howald (4 km) em meia hora, é porque conduzimos bem", explicou Diane Adehm, vereadora de Hesperange e deputada do CSV, numa entrevista em fevereiro de 2018 ao Luxemburger Wort. "É por isso que há anos que tentamos resolver esta situação. E com a urbanização do bairro de Gasperich vai ser uma loucura aqui em Hesperange. Temos de ser razoáveis, nem todos os milhares de funcionários que lá trabalham vão poder usar os transportes públicos".


Em 2021, vai chegar um elétrico a Bonnevoie
Começaram esta terça-feira as obras para renovar a ponte Buchler, onde irá circular o "tram" que irá ligar a Place d'Etoile a Bonnevoie.

Uma ideia que não é nova

Há mais de 15 anos que a população de Hesperange quer encontrar uma via alternativa para o trânsito. Em 2008, o plano do setor dos transportes (PST) chegou a apresentar duas rotas alternativas, mas  ambas ficavam numa "zona verde interurbana" e, por isso, provocavam "um impacto ambiental significativo", como concluiu o estudo de viabilidade. Desde então, não foi apresentada qualquer alternativa às duas rotas propostas no PST, segundo um comunicado da cidade.

No entanto, em 2016, o ministro dos Transportes, François Bausch, anunciou que iriam ser feitas obras para contornar os municípios de Alzingen e Hesperange, com a construção da futura N3 e o desenvolvimento do elétrico, previsto para circular entre Gasperich e Howald, evitando assim a cidade. Foi agendada uma consulta pública para maio de 2017, que acabou por ser adiada "indefinidamente pelas autoridades ministeriais", segundo Marc Lies, burgomestre de Alzingen, numa entrevista à RTL.


Lokales, Kirchberg, Tiago Ferreira, Lux Tram, LuxTram, Trambahn, Foto: Anouk Antony/Luxemburger Wort
Melhor motorista de elétrico da Europa é português e trabalha no Luxemburgo
Tiago Ferreira, 23 anos e natural de Braga, é o mais novo maquinista da Luxtram.

Em junho de 2018, o conselho municipal pediu às "autoridades nacionais competentes para dar prioridade absoluta ao projeto de desvio" inicialmente previsto. Para isso, era necessário "finalizar a avaliação sobre o impacto na natureza, e optar por uma das rotas propostas no PST", idealmente a mais amiga do ambiente, de forma a avançar com o projeto o mais rápido possível.

Um ano depois, a população continua à espera de uma decisão definitiva sobre a questão. A construção de infra-estruturas de transporte, como a estação rodoviária circular de Howald ou a nova linha de autocarros entre Alzingen e Strassen, não resolveu o problema nem ajudou a reduzir o tráfego. Até porque os próprios grandes projetos em curso na área circundante têm um impacto direto no tráfego, mesmo ao fim-de-semana.

O artigo original foi publicado em francês no Luxemburger Wort