Escolha as suas informações

Greta Thunberg apela no Twitter que eurodeputados votem contra a proposta da PAC
Luxemburgo 1 2 min. 23.10.2020

Greta Thunberg apela no Twitter que eurodeputados votem contra a proposta da PAC

Greta Thunberg apela no Twitter que eurodeputados votem contra a proposta da PAC

Foto: Gerry Huberty
Luxemburgo 1 2 min. 23.10.2020

Greta Thunberg apela no Twitter que eurodeputados votem contra a proposta da PAC

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
Greta Thunberg pede aos parlamentares europeus que vetem a proposta da Política Agrícola Comum em discussão.

 O Parlamento Europeu vota hoje a sua proposta sobre os fundos para a agricultura até 2027, considerada por ambientalistas como uma ameaça às metas verdes europeias. Vários grupos têm em curso campanhas de pressão sobre os deputados.

Os vídeos 360 não têm suporte aqui. Ver o vídeo na aplicação Youtube.

No vídeo no Twitter lançado pela sueca Greta Thunberg, pela alemã Luisa Neubauer, e pela belga Anuna de Wever  #VoteThisCAPDown, as jovens ativistas pedem aos parlamentares europeus que vetem a proposta da Política Agrícola Comum (CAP, na sigla inglesa) em discussão.

“Caros eurodeputados, os vossos vagos e distantes objetivos climáticos não terão nenhum significado se não vetarem esta proposta e continuarem a apoiar os lóbis comerciais. Esta é a vossa oportunidade de transformar palavras vazias em ação. Os olhos das gerações futuras estão sobre vocês. Não mais desculpas”. No vídeo, as jovens ativistas pedem para se inundar as redes socias com a #VoteThisCAPDown e aos utilizadores do Twitter para se dirigirem diretamente aos deputados, incluindo o português Carlos Zorrinho.


PAC. Luxemburgo assinala "acordo satisfatório" que respeita "características específicas" do país
Romain Schneider sublinha flexibilidade da nova política agrícola comum para adaptabilidade às características nacionais e novo foco na proteção ambiental.

A votação sobre a proposta do Parlamento Europeu para a reforma da atual Política Agrícola Comum (PAC) decorre hoje entre as 13h15 e as 14h30. Os textos que forem adotados não são a versão final da PAC, mas serão a base de negociações entre o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu sobre os fundos para o setor agrícola entre 2023 e 2027.

A proposta que estará no outro lado da mesa de negociações foi aprovada na quarta-feira pelos ministros europeus da Agricultura, numa maratona de reuniões no Luxemburgo. E também esta foi considerada por organizações do ambiente, como a World Wildlife Fund (WWF) Europe e BirdLife, como incompatível com o objetivo da Comissão Europeia de reverter a perda de biodiversidade e de reduzir as emissões de carbono em 55% até 2030. As organizações consideram que sob princípios genéricos de proteção do ambiente foram aprovados buracos na lei, os chamados “loopholes”, que permitem que tudo fique como está.

“É terrivelmente desencorajador. Por trás das suas belas palavras, os deputados e os ministros da agricultura europeus estão a perpetuar uma política agrícola que irá entregar o dinheiro dos contribuintes para a agricultura poluente e industrializada pelo menos até 2027. Isto vai contra os avisos científicos sobre a crescente perda de natureza e gases com efeito de estufa provocados por uma agricultura destrutiva, prejudicando os próprios agricultores e a natureza”, comentou Jabier Ruiz, responsável pelas políticas agrícolas no WWF Europe.

A PAC é um dos grandes sorvedores de fundos europeus – representa cerca de um terço de todo o orçamento da União Europeia – e é visto também pelos ecologistas e pelos cientistas como um dos setores mais importantes para serem alcançadas as metas climáticas. Representa igualmente a nível mundial o maior esquema de subsídios ao setor agrícola. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

PAC. A luta contínua para fazer a agricultura mais verde
Os ministros da Agricultura dos 27 países revoltaram-se com a insinuação de que a reforma da Política Agrícola Comum (PAC), que está a ser discutida há mais de dois anos, poderia ser rejeitada. Depois da guerra aberta entre clima e agricultura, negociadores da Comissão dizem que vão chegar lá pelo diálogo.